PGR ANALISA

Heleno diz que apreensão de celular de Bolsonaro pode ter ‘consequências imprevisíveis’

Ao comentar pedido apresentado por parlamentares da oposição, ministro afirmou que há tentativa de 'comprometer a harmonia entre os poderes'


Agência O Globo
Agência O Globo
Do Agência O Globo | Em: 22/05/2020 às 16:17:56

Ministro do Gabinete de Segurança Institucional do governo Bolsonaro, general Augusto Heleno: críticas à tentativa de apreensão do celular do presidente. (Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil)
Ministro do Gabinete de Segurança Institucional do governo Bolsonaro, general Augusto Heleno: críticas à tentativa de apreensão do celular do presidente. (Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil)

O ministro do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), Augusto Heleno, afirmou nesta sexta-feira que apreender o celular do presidente Jair Bolsonaro seria uma “afronta à autoridade máxima do Poder Executivo e interferência inadmissível de outro Poder” e que “poderá ter consequências imprevisíveis”. O ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), encaminhou ao procurador-geral da República, Augusto Aras, um pedido apresentado por parlamentares de oposição de apreensão do celular de Bolsonaro.

Em nota, Heleno afirmou que “o pedido de apreensão do celular do presidente da República é inconcebível e, até certo ponto, inacreditável”. O ministro fez um “alerta” para autoridades de outros Poderes de que “tal atitude é uma evidente tentativa de comprometer a harmonia entre os poderes e poderá ter consequências imprevisíveis para a estabilidade nacional”.

Em nota, Heleno afirmou que “o pedido de apreensão do celular do presidente da República é inconcebível e, até certo ponto, inacreditável”. O ministro fez um “alerta” para autoridades de outros Poderes de que “tal atitude é uma evidente tentativa de comprometer a harmonia entre os poderes e poderá ter consequências imprevisíveis para a estabilidade nacional”.