Do Mais Goiás

HDT promove ações de combate à Aids na primeira semana de dezembro

A solenidade de abertura das atividades ocorre nesta a quinta-feira, 1º de dezembro, às 8 horas, no auditório do hospital

Com o objetivo de conscientizar a população sobre a Aids e dos cuidados necessários para evitar a proliferação do vírus HIV, o Hospital de Doenças Tropicais dr. Anuar Auad (HDT/HAA), referência no tratamento de doenças infectocontagiosas e dermatológicas, realiza uma série de atividades de 1º a 3 de dezembro (quinta-feira a sábado), pelo Dia Mundial de Luta contra a Aids, lembrado no dia primeiro do último mês do ano.

A solenidade de abertura das atividades ocorre nesta a quinta-feira, 1º de dezembro, às 8 horas, no auditório do hospital. A primeira atração do evento será a palestra da infectologista Luciana Oliveira com o tema HIV – Sua evolução no HDT e no Estado de Goiás. Logo após, haverá também uma apresentação cultural da cantora Alba Franco, exibição de vídeo com personalidades portadoras do HIV, apresentação do livro Libido e seus ensaios sobre um vírus – HIV, do autor Luigi Moreno, recital de poesias e homenagem à equipe médica do HDT/HAA.

As atividades também serão realizadas em locais públicos. Durante os três primeiros dias de dezembro haverá exposição de banner com distribuição de preservativos e folhetos educativos nos shoppings Araguaia, em Goiânia, e Buriti, em Aparecida de Goiânia. No Centro de Educação de Jovens e Adultos, o hospital promove uma mesa-redonda nos dias 1º e 2 (quinta e sexta-feira) para discussão com os alunos do ensino médio sobre o tema Desmistificando mitos e esclarecendo dúvidas sobre HIV/Aids.

Atendimento 

HIV/Aids é o carro-chefe de atendimentos no HDT/HAA.  Entre os pacientes internados na unidade, 50% são soropositivos, e cerca de 80% dos atendimentos ambulatoriais são aos portadores do vírus. A unidade ainda fornece medicamentos a mais de 8.700 pacientes. Em 2015, o Núcleo Hospitalar de Vigilância Epidemiológica (NHVE) da unidade contabilizou 423 casos notificados de pessoas com HIV/Aids, e, em 2016, até novembro, foram notificados 266 casos.

Prevenção

De acordo com um estudo do Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/Aids (Unaids), o número de pessoas vivendo com Aids no Brasil aumentou. Entre 2010 e 2015, essa população saltou de 700 mil para 830 mil e mata cerca de 15 mil pessoas por ano. Para a Unaids, o Brasil viu a epidemia avançar porque a população não está se prevenindo como deveria. A infectologista do HDT/HAA, Luciana Oliveira, concorda com essa avaliação e explica que está havendo uma banalização da doença. A médica lembra que, pelo fato de ter reduzido o caso de números de morte pela doença e pelos jovens não terem vivenciado a realidade da Aids nos anos 90, fez com que muitos não temessem mais a Aids. “A população está menos temerosa e está se expondo mais, não usando preservativo. É importante que o indivíduo tome consciência de que a camisinha é o método mais eficaz para se prevenir contra a Aids e muitas outras doenças sexualmente transmissíveis”, alerta a infectologista.

No HDT/HAA, também há o acompanhamento da gestação de mulheres soropositivas por meio do Programa Prevenir Para a Vida, desenvolvido pelo setor de Psicologia. Graças a este trabalho, Goiás tem sido referência no controle do HIV/Aids no país com a diminuição de casos de transmissão vertical (situação em que a criança é infectada durante a gestação, no parto ou por meio da amamentação). Por meio do programa, os filhos recebem leite especial até atingirem um ano e meio de vida, ampliando o tempo previsto pelo Ministério da Saúde (MS), que é de 12 meses. A doação é importante, pois as mães não amamentam seus filhos para não transmitirem o vírus. Desde que foi implantado, em 2003, mais de 1.250 mulheres já passaram pelo programa e, atualmente, a taxa de transmissão vertical é próxima de zero.