Do Mais Goiás

Harvard está desenvolvendo exo-esqueleto leve para pacientes parcialmente paralisados

Pesquisadores já estão próximos de uma versão que pode ser comercial

Uma ótima notícias pra quem possui algum tipo de deficiência ou dificuldade de locomoção nos membros inferiores: o Wyss Institute for Biologically Inspired Engineering, que pertence à Universidade de Harvard, divulgou um comunicado de que seus engenheiros estão próximos da versão comercial de um exoesqueleto leve que pode ajudar pacientes a voltarem a andar. 

 

Os engenheiros firmaram uma parceria com a start-up de robótica assistencial ReWalk para levar a pesquisa para o mercado. O exoesqueleto foi desenvolvido pelo doutor Conor Walsh em parceria com engenheiros, bio-engenheiros, engenheiros mecânicos, engenheiros de software, designers de moda e roboticistas. Sua principal diferença é ser feito de tecido e de ter uma arquitetura que se ajusta ao corpo do paciente, o tornando muito diferente dos protótipos de metal pesado e rígidos de outras pesquisas.

 

A ideia inicial é devolver os movimentos das pernas para pacientes que ainda possuem mobilidade parcial, como pacientes idosos, de derrame e de esclerose múltipla. Até agora, o modelo não seria capaz de devolver o movimento para pacientes de lesões na espinha, mas quem sabe em breve. A pesquisa está avançada e os cientistas estão otimistas em uma versão comercial nos próximos anos.