Economia

Há 17 tendências e 110 oportunidades de negócios em Goiás para os próximos anos

Estudo do Sebrae Goiás apontam tendências de consumo que podem ser utilizadas para traçar estratégias de empreendedorismo


Murillo Soares

Do Mais Goiás | Em: 25/04/2019 às 20:24:07


(Foto: Patricia Cruz/A2IMG/Sebrae/Divulgação)
(Foto: Patricia Cruz/A2IMG/Sebrae/Divulgação)

Um estudo de Tendências e Oportunidades de Negócios em Goiás, divulgado nesta quinta-feira (25), aponta que há 17 macrotendências e 110 oportunidades de empreendedorismo em Goiás. As informações são do Sebrae Goiás. De acordo com o órgão, os dados publicados deverão ajudar – principalmente – negócios de pequeno porte e fomentar a geração de oportunidades, além de estimular o segmento.

As 17 macrotendências são: Mundo Digital; O Futuro do Trabalho; Consumo Consciente e Sustentabilidade; Economia Compartilhada; Agronegócio; Prazer e Saúde à Mesa; Nichos de Mercado; As Novas Famílias e seu Cantinho no Mundo; O Poder da Mulher no Mercado; Faça Você Mesmo; Mercado Pet; Envelhecimento da População; Consumo Precoce; Economia de Tempo e Praticidade; Saúde e Beleza; (In)Segurança; e Franquias.

(Foto: Divulgação)

Todas as informações estão em um e-book disponível gratuitamente no site do Sebrae Goiás. Segundo Leonardo Guerra de Rezende Guedes, superintendente do Sebrae Goiás, os dados devem ser vistos como uma análise, uma “dica”, não como um bê-a-bá. “O que deve ser olhado, é todo o cenário”, destaca. Sobretudo para microempreendedores, ele sublinha ainda que as informações divulgadas podem fazer muita diferença se usadas como um catalizador do que já é feito pelos empreendedores.

Apesar de o Sebrae apontar as tendências, o superintendente do órgão não desmerece as contratendências. Pelo contrário, sublinha que elas não são um problema. Segundo ele, quem não acompanha as tendências fica para trás, mas ainda permanece. “Isso também deve ser avaliado”, aponta.

Novatos no mercado

Para Leonardo, um dos grandes motes das novas tendências é inserção e ascensão da Geração Z (pessoas nascidas em meados da década de 1990) no mercado. “É um comportamento completamente diferente. Eles apostam em experienciar, experimentar”, explica. “Experimentar o descolamento é mais importante que ter um carro; experienciar uma música ou um vídeo é mais importante que ter um DVD”, completa.

Estes novos consumidores, continua ele, deverão “ditar” o mercado nos próximos 10 a 20 anos. Para utilizar esta informação e transformá-la em negócio, segundo ele, deve-se “ouvir a demanda”. “Observar o que é necessidade, pelo que as pessoas anseiam em experimentar, e ofertar isso”, sublinha.

Cenário atual

O último estudo de Tendências e Oportunidades de Negócios do Sebrae Goiás foi publicado em 2014. De acordo com Leonardo, o período de cinco anos foi o tempo necessário para fazer uma análise da atual conjuntura do mercado goiano, levando em conta a nova realidade demográfica, a urbanização e interiorização do desenvolvimento, a universalização da internet (cerca de 300% apenas de 2005 a 2015) e massificação do acesso a computadores. “Neste meio tempo, experienciamos mudanças de governo, flutuações na economia e outras expectativas. Foi o suficiente para entrarmos em um novo ciclo. Daqui cinco anos teremos outro”, afirma.