Guerra do tráfico

Guerra entre traficantes rivais faz mais uma vítima

Jovem executado em Goianésia com mais de 10 tiros conseguiu fugir da troca de tiros com a Rotam, no sábado, no Bairro Goiá 2





//

A guerra entre duas quadrilhas de traficantes de drogas fez mais uma vítima em Goiás.

Integrante do bando comandado por Iterley Martins de Souza, Marcos Antônio Rodrigues, 21, o “Marcola”, que sábado (12/09) escapou de um confronto com a Rotam no Bairro Goiá 2, em Goiânia, foi executado com pelo menos 12 tiros  na madrugada deste domingo (13/09) na casa da namorada dele em Goianésia.

De acordo com informações das Polícias Civil e Militar, Thiago César de Souza, 34, o “Topete”, que cumpre pena na Penitenciária Coronel Odenir Guimarães em Aparecida de Goiânia, e Iterley Martins, foragido da Justiça, são traficantes, inimigos, e há pelo menos um ano travam uma guerra sangrenta na Região Sudoeste da Capital.

Neste período, o número de pessoas assassinadas pelos chamados “bebês” (criminosos que agem a mando deles) dos dois traficantes chegaria a 50, incluindo vários inocentes, como o Cabo da Polícia Militar Fernando Alves Batista, 44, que foi morto com pelo menos 10 tiros, no último dia 18 de agosto, no momento em que estava de folga em uma distribuidora de bebidas localziada no Setor Santa Fé, em Goiânia. O alvo dos criminosos era a dona da distribuidora, que também acabou morta. Um dos autores deste crime é Leandro Gonçalves Cândido, o “Leandrinho”, sobrinho de Iterley.

Outro criminoso que também estaria neste crime da distribuidora é Alexandre Gonçalves de Deus, o “Nice”, que seria o motorista da Pajero TR4 blindada perseguida no sábado  por militares da Rotam no Bairro Goiá. Após capotar a camionete, Nice e Marcola conseguiram fugir atirando nos PMs, mas Luan Victor Neves, 24, o “Primo”, e Pablo William, 18, o “Di Menor”, foram mortos no confronto.

Raul Miguel Batista Feliciano, 19, o “Ratão”, e Alef Silva Vieira, 18, que também estavam no veículo foram presos, ocasião em que contaram para os PMs que estavam indo para o Residencial Jardim do Cerrado para executar membros da quadrilha de Topete. “Nossa guerra é com o pessoal do Topete, eles falaram que vão matar a gente. A gente vai jogar prá cima deles mesmo. Nossa treta não é com a polícia não, a gente quer pegar mesmo é o povo do Topete”, relatou Raul Miguel ao ser preso.

Segundo levantamento feito pela PM, dos oito membros identificados da quadrilha de Iterley, dois estão foragidos (além dele), três presos e três mortos. Para não atrapalhar as investigações, a polícia não disponibilizou informações sobre quem seriam os integrantes da quadrilha de Topete, apenas informou que dois deles, Marcelo Rodrigues de Morais, 28, o “Snoopy” e Márcio Ferreira do Nascimento, 32, o “Perninha”, foram mortos em confronto com militares do Graer em quatro de maio passado no Jardim Planalto em Goiânia.

Na opinião do Assessor de Comunicação da PM, Tenente Coronel Ricardo Mendes, se a Justiça determinasse a transferência de Topete para um presídio fora de Goiás, e fizesse o mesmo quando Iterley fosse capturado, a guerra poderia ter fim. “Se ele continua comandando execuções e outros crimes de dentro da POG, qual a dificuldade em tirá-lo do Estado? O fato é que não existe vácuo de poder. Mesmo que seja no poder paralelo”, destacou.