Mundo

Guaidó fixa data para entrada de ajuda e faz apelo a militares

Nicolás Maduro considera a operação humanitária a porta de entrada para uma intervenção militar americana.


FolhaPress
FolhaPress

Do FolhaPress | Em: 12/02/2019 às 21:11:45


(Foto: Reprodução/Twitter/JuanGuaido)
(Foto: Reprodução/Twitter/JuanGuaido)

O líder oposicionista Juan Guaidó anunciou nesta terça-feira (12) que a ajuda humanitária enviada pelos EUA entrará na Venezuela no próximo dia 23 de fevereiro, durante ato que reuniu dezenas de milhares de opositores em Caracas para pedir às Forças Armadas que não bloqueiem a entrada da assistência.

O ditador Nicolás Maduro considera a operação humanitária a porta de entrada para uma intervenção militar americana.

Guaidó, reconhecido por quase 50 países como presidente interino da Venezuela, não detalhou como a entrada e a distribuição de ajuda aconteceria.

No palanque, ele pediu que 250 mil pessoas se voluntariem para uma caravana que, segundo ele, começará a ser organizada neste fim de semana para garantir o transporte dos itens.

O presidente da Assembleia Nacional, de maioria opositora, disse ainda que promulgará uma “ordem direta” às Forças Armadas para que permitam a entrada da assistência – embora não haja sinais de que os militares se inclinem a desobedecer a Maduro.

“A ajuda humanitária entrará na Venezuela quer queiram, quer não, porque o usurpador vai ter de ir embora da Venezuela”, disse Guaidó, em referência Maduro. “Não é a primeira vez que a Venezuela vai se livrar de um tirano, esperamos que seja a última.”

E disse aos militares: “Coloquem-se do lado da Constituição, mas também do lado da humanidade”.

Na segunda-feira (11), em Brasília, o deputado Lester Toledo, coordenador para o envio de ajuda internacional à Venezuela, afirmou que o plano da oposição era uma entrada simultânea de medicamentos e alimentos no país por três frentes: Colômbia, Brasil e por via marítima.

Aos gritos de “Liberdade” e “Guaidó”, os opositores protestaram em todo o país. Em Caracas, reuniram-se na zona leste, onde Guaidó discursou.

Os atos coincidem com o Dia da Juventude e recordam os 40 mortos em protestos contra Maduro em janeiro.

Em contrapartida, Maduro comandaria uma passeata de jovens de esquerda contra a “intervenção imperialista” na praça Bolívar, centro de Caracas, onde o governo reúne assinaturas de repúdio ao presidente americano, Donald Trump.

A disputa de poder entre Guaidó e Maduro se concentra nesta semana na ajuda humanitária.

A Colômbia foi o primeiro ponto de chegada da doação americana, tendo como base a cidade fronteiriça de Cúcuta, onde os itens estão há cinco dias em um depósito.

Dois contêineres e um caminhão bloqueiam a ponte Tienditas, que liga Cúcuta (Colômbia) a Ureñas (Venezuela). Os militares venezuelanos reforçaram a presença no local.

Após encontro com um grupo de opositores, o governo brasileiro se comprometeu na terça a instalar um centro de distribuição de ajuda em Roraima, estado que faz fronteira com a Venezuela.

A divergência acontece em plena crise econômica, com escassez de remédios e alimentos, em um país afetado pela hiperinflação. Quase 2,3 milhões de venezuelanos (7% da população) fugiram do país desde 2015, segundo a ONU.

Em uma tentativa de convencer as Forças Armadas, base de apoio do governo, Guaidó ofereceu anistia aos militares que não reconhecerem Maduro e advertiu que impedir a entrada de alimentos e medicamentos é um “crime contra a humanidade”.

Maduro, que chama de “show político” a chegada de ajuda, nega uma “emergência humanitária” e atribui a falta de medicamentos e alimentos a uma “guerra econômica” da direita e a duras sanções americanas.

Em entrevista à CNN, Maduro disse que a escassez de alimentos e medicamentos está sendo usada por Washington e pela oposição para dizer que em seu país há uma crise humanitária e, assim, justificar uma intervenção militar.

O ditador, no entanto, descartou o confronto entre suas tropas e os voluntários que se inscreveram para ajudar na distribuição de ajuda. “Não haverá repressão”, disse Maduro.

Além disso, afirmou que as reservas de ouro que Caracas tem depositadas no Reino Unido chegam a 80 toneladas e que acredita que as mesmas não serão confiscadas.

Com sérios problemas de liquidez agravados pelo colapso da produção de petróleo e sanções americanas, o governo venezuelano vem tentando repatriar suas reservas internacionais de ouro em Londres há meses.

“Espero que a legalidade internacional e o Banco Central da Venezuela sejam respeitados. Espero que a justiça prevaleça e que a Venezuela não seja expropriada de algo que lhe pertence”, afirmou Maduro.

Uma conferência sobre ajuda humanitária, solicitada por Guaidó, acontecerá nesta quinta-feira (14) na sede da OEA (Organização dos Estados Americanos), em Washington.

Na ocasião, Guaidó vai se pronunciar por videoconferência diante de 60 delegações internacionais, representantes do setor privado, ONGs e membros da sociedade civil.

Ainda nesta terça, o chanceler russo, Serguei Lavrov, advertiu os EUA contra o “uso da força” e “qualquer ingerência nos assuntos internos da Venezuela”.

A advertência foi feita em telefonema ao secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo.