De olho no relógio

Governo recebe estudo na próxima semana para avaliar fim do horário de verão

Em março, o deputado João Campos solicitou à presidência que o horário de verão, que acontece entre novembro e fevereiro, seja extinto em Goiás


FolhaPress
FolhaPress
Do FolhaPress | Em: 03/04/2019 às 15:35:50

Presidente Jair Bolsonaro e o deputado federal João Campos (Fotos: Reprodução/Maryanna Oliveira)
Presidente Jair Bolsonaro e o deputado federal João Campos (Fotos: Reprodução/Maryanna Oliveira)

O fim do horário de verão será analisado por Jair Bolsonaro (PSL) na próxima semana. De acordo com o Ministério de Minas e Energia, o presidente solicitou um estudo para avaliar a manutenção da mudança do horário entre os meses de novembro e fevereiro.

Apesar de não comentar qual será a recomendação do ministro Bento Albuquerque, responsável pela elaboração do relatório, a pasta afirma que o documento será entregue até o fim da próxima semana. Por se tratar de um decreto, a extinção do horário de verão dependerá de decisão do presidente.

O horário de verão foi adotado pela primeira vez no país no no fim de 1931, com a finalidade de economizar energia elétrica nos meses mais quentes do ano. Ele foi aplicado sem interrupção nos últimos últimos 35 anos.

Pesquisas mostram, no entanto, que a eficiência na economia de energia vem caindo ano após ano. Um estudo divulgado pelo ONS (Operador Nacional do Sistema Elétrico), considerou nula a economia de energia durante o horário de verão 2017/2018.

De acordo com o relatório, a redução apresentada em análises durante o horário de verão também foram verificadas em outros períodos, antes mesmo dos ajustes no relógio. Segundo alguns especialistas, a queda dos índices de economia de energia acontecem pela mudança de comportamento do brasileiro. As pessoas atualmente têm jornadas de trabalhos diferentes, saem de casa mais tarde e utilizam mais o ar condicionado durante o dia, quando as temperaturas estão elevadas.

O ex-presidente Michel Temer (MDB) chegou a sinalizar intenção de descontinuar o horário de verão, mas, em meio à tensão de um momento em que tentava barrar denúncias contra ele por obstrução judicial e organização criminosa, foi orientado a desistir da mudança.

Uma lei europeia determina, desde 2001, que todos os países do bloco adiantem seus relógios em uma hora no último domingo de março. O horário volta ao anterior, com o atraso de uma hora, no último fim de semana de outubro. No Brasil, desde 2008 o início e fim do horário de verão são definidos anualmente por um decreto presidencial.

A alteração também tem sido questionada nos Estados Unidos. Diversas iniciativas no Congresso e em Câmaras estaduais querem o fim do atual sistema, iniciado há um século e que ainda causa polêmica. Entre as discussões entre os americanos há sugestões que incluem a manutenção do horário de verão durante todo o ano.

Goiás

No mês passado, o deputado federal João Campos (PRB) solicitou em audiência com o presidente, que o horário de verão seja extinto em Goiás. “Fiz pessoalmente ao meu amigo e Presidente da República, Jair Bolsonaro, um pedido para que ele intervenha e venha a decretar o fim definitivo do horário de verão, tanto para Goiás, como para todos os estados afetados”, publicou o político nas redes sociais.

“Acredito que a mudança causa transtornos para a população, sobretudo para os mais humildes, obrigados a levantar muito cedo, quando ainda está escuro, e caminhar por vias públicas mal iluminadas até um ponto de ônibus, ou mesmo até o local de trabalho”, continuou João Campos na publicação.