FolhaPress

Governo prepara parecer para desobrigar vacinado e quem já se infectou de usar máscara

Em evento no Palácio do Planalto, presidente insiste em medicação sem eficácia contra a Covid

Presidente Jair Bolsonaro (Foto: Carolina Antunes/PR)
Presidente Jair Bolsonaro (Foto: Carolina Antunes/PR)

O presidente Jair Bolsonaro disse nesta quinta-feira (10) que o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, prepara um parecer para desobrigar o uso de máscara por quem já foi vacinado contra a Covid ou quem já se infectou com o coronavírus.

“Ele vai ultimar um parecer visando a desobrigar o uso de máscara por parte daqueles que estejam vacinados ou que já foram contaminados para tirar este símbolo que, obviamente, tem a sua utilidade para quem está infectado”, afirmou Bolsonaro em uma solenidade no Palácio do Planalto.

O presidente seguiu dizendo que, pelo protocolo adotado no Brasil, quem está infectado deve ficar em casa. “Se bem que para nós, o nosso protocolo para quem está infectado, este sim fica em casa. Não aquele fica em casa todo mundo. A quarentena é para quem está infectado, não é para todo mundo, porque isso destrói empregos, mata de outra forma o cidadão”, afirmou.

Na verdade, uma pessoa pode transmitir o vírus mesmo que esteja vacinada e sem apresentar sintomas. Como ainda há pouquíssimos vacinados no Brasil e alta circulação do vírus, o risco de alguém que tomou a vacina contrair o coronavírus e transmiti-lo (mesmo sem ficar doente) para quem ainda não esteja protegido é bem grande.

Ao chegar à cerimônia, Bolsonaro estava de máscara. Um segurança que, antes da chegada do mandatário estava sem o equipamento de proteção, foi orientado a cobrir o rosto e retirou uma máscara cirúrgica do bolso do paletó.

Procurado, o Ministério da Saúde ainda não se manifestou.

Desde que assumiu o cargo, Queiroga tem se posicionado a favor do uso de máscaras. “A pátria de chuteiras agora é a pátria de máscaras“, disse no fim de março.

Ao longo dos últimos meses, o ministro também tem dito que o uso de máscaras e distanciamento são importantes como medidas de prevenção e para a “retomada da economia”.

Questionado em depoimento à CPI da Covid nesta semana se orientava o presidente a usar a proteção, o ministro respondeu: “evidente que sim”. Mas evitou comentar sobre a postura de Bolsonaro, afirmando que se trata de “ato individual”. “Não vou fazer juízo de valor a respeito da conduta do presidente da República”, disse.

Em maio, o Ministério da Saúde lançou uma campanha sobre medidas de prevenção contra a Covid, com o mote “O cuidado é de cada um, o benefício é de todos”. Um dos vídeos da iniciativa traz a família do personagem Zé Gotinha de máscaras e cita outras ações, como lavar as mãos e distanciamento.