Governo e vereadores estudam implantação de patrulha exclusiva para o transporte coletivo

O grupo também discute a criação de um fundo de subsídio para financiar possíveis melhorias no serviço

Os vereadores que compõem a Comissão Especial de Inquérito (CEI) do transporte coletivo na Câmara de Goiânia, Anselmo Pereira (PSDB), Clécio Alves (PMDB), Juarez Lopes (PRTB), GCM Romário Policarpo (PTC) e Vinicius Cirqueira (Pros), se reuniram com o governador Marconi Perillo (PSDB) na tarde dessa segunda-feira (8) para discutir melhorias para o transporte coletivo da capital.

Entre as propostas debatidas estão a possível criação de um patrulhamento do Batalhão Militar para atuação nos terminais e pontos de ônibus de Goiânia e Região Metropolitana. A comissão também discute a criação do Fundo Estadual do Transporte, com o objetivo de subsidiar as possíveis melhorias que venha a ser implementadas no serviço por meio de arrecadações de diversos órgãos do Estado.

Segundo o vereador Romário Policarpo, o governador pediu um estudo de viabilidade para a  Secretaria de Segurança Pública e Administração Penitenciária (SSPAP) e uma nova reunião será marcada para debater a implantação das propostas. Conforme a assessoria de imprensa do governo, a análise deve levar cerca de um ano para ser concluída.

Enquanto isso, os vereadores da CEI buscam apoio dos demais parlamentares para o prosseguimento dos projetos. “Precisamos pegar as 35 assinaturas dos vereadores da Casa para marcar uma nova reunião com o governador para acertar a criação do Batalhão”, explica.

O parlamentar também disse que a participação das prefeituras da Região Metropolitana é fundamental para a criação do fundo de subsídio. “Hoje a Prefeitura de Goiânia paga sozinha 80% das despesas do transporte coletivo. O intuito é que todas as prefeituras participem para que ocorra o pagamento de forma igualitária no transporte.”

Policarpo ainda explica quais serão as formas utilizadas pela prefeitura da capital e pelo Estado para a criação do fundo. “A prefeitura já está trabalhando com a regularização da Uber e parquímetros da capital, para que os tributos arrecadados com eles já possam ir para o fundo do transporte. O governo entrará com o IPVA e demais impostos estaduais”, conclui.