EIXÃO

Governo e Prefeitura anunciam privatização do Eixo Anhanguera

Representantes informaram que privatização não aumentará a passagem e que, Goianira, Trindade e Senador Canedo serão mantidas no trajeto


Da Redação
Do Mais Goiás | Em: 13/08/2019 às 17:53:45

Eixo Anhanguera (Foto: Reprodução/Google Street View)
Eixo Anhanguera (Foto: Reprodução/Google Street View)

O governador de Goiás, Ronaldo Caiado (DEM) e o prefeito de Goiânia, Iris Rezende (MDB), estiveram reunidos nesta terça-feira (13) e discutiram sobre a privatização do Eixo Anhanguera. Representantes informaram que privatização não aumentará a passagem e que, as cidades de Goianira, Trindade e Senador Canedo serão mantidas no trajeto.

Estiveram presentes, ainda, o Presidente da Companhia Metropolitana de Transporte Coletivo (CMTC) Benjamin Kennedy e o Presidente da Metrobus, Paulo Reis. Prefeitura e governadoria concordam com a concessão dos serviços à iniciativa privada.

Caiado afirmou que o Estado não precisa se envolver com melhorias nos ônibus. “Não tem como o governo arcar com as melhorias no transporte coletivo e custos, como troca de motor, câmbio, pneu e de ônibus”. E que é possível observar a redução de usuários do Eixo, pois a qualidade do transporte está “deixando a desejar”.

O prefeito de Goiânia disse que a Metrobus, atual responsável pela gestão da linhas, faliu. “O povo está sofrendo com isso há cinco anos. O Estado e a prefeitura querem privatizar e representantes das duas partes vão analisar como fazer isso. O que ainda impede a privatização são as questões legais”, afirmou.

Iris Rezende diz vai buscar apoio do presidente Jair Bolsonaro (PSL) para “proporcionarem dias melhores para o goianiense em todas as áreas”.

A CMTC espera que em 60 dias seja definido o processo licitatório. A empresa que ganhar será responsável por fazer melhorias nos ônibus, plataformas e terminais. A expectativa é de que até julho de 2020 o Eixo Anhanguera esteja privatizado.

O Mais Goiás entrou em contato com a Metrobus, mas até o fechamento desta matéria não obteve retorno sobre o assunto.