Último capítulo da novela

Governo anuncia pagamento da última parcela do salário de dezembro

Pouco mais de 6 mil servidores receberam a parcela nesta terça-feira (28). A outra parte dos colaboradores recebeu a última parcela no mês passado

Política

Joao Paulo Alexandre
Do Mais Goiás | Em: 28/08/2019 às 15:25:04

(Foto: divulgação/Governo)
(Foto: divulgação/Governo)

A última parcela do salário do mês de dezembro do ano passado foi quitada nesta quarta-feira (28) pelo governo do Estado. O acordo foi firmado com os servidores em fevereiro desse ano e previa o escalonamento dos valores em seis parcelas. A decisão foi tomada diante da alegação do governo da falta de caixa para a realização dos pagamentos.

A Secretaria de Economia destacou em nota que foi realizado depósito de R$ 100,7 milhões referente a última parcela do acordo. Esse valor beneficia 6.087 servidores que ainda faltavam receber o mês em questão. A outra parte teria recebido a última parcela no mês passado, após o governo realizar repasse de R$ 58 milhões para quitar o débito. De acordo com a pasta, no geral, o escalonamento dos salários abrangeu 170 mil colaboradores estaduais.

“Ressalta-se que só foi possível honrar com o compromisso assumido em fazer o escalonamento em seis etapas e pagar todas elas impreterivelmente, conforme acordado com o funcionalismo público, graças ao esforço de arrecadação e envolvimento de todos os órgãos no corte de despesas”, finaliza o texto.

Mais cedo, em uma rede social, o governador Ronaldo Caiado (DEM) descreveu estar “aliviado” ao informar a disponibilidade do pagamento. Além disso, destacou como “difícil” assumir o que ele chamou de “calote” da gestão anterior.

 

Relembre

A novela dos salários atrasados referente ao mês de dezembro teve início após a transição de governo. Dentro do mês, apenas servidores ativos, inativos e pensionistas do Tribunal de Justiça de Goiás, Assembleia Legislativa, Ministério Público, Tribunal de Contas do Estados, Tribunal de Contas dos Municípios e Defensoria Pública receberam.

Diante a ação, servidores de várias classes sindicais realizaram protestos e alguns ameaçaram até greve, como a Educação. O governo alega, além da falta de caixa, o não empenho da folha de pagamento de dezembro, que deveria ser realizado dentro mês. O escalonamento do salário foi uma das alternativa apresentada. Inicialmente para ser feita em oito parcelas, mas, após recusas de ambas as partes, ficou acertado o pagamento em seis vezes.