Paga ou não paga?

Governador pede que comerciantes goianos vendam ‘fiado’ a servidores

Um professor da rede estadual gravou um vídeo em que faz esse pedido em um comércio de Goiânia


Bárbara Zaiden
Do Mais Goiás | Em: 10/01/2019 às 17:11:37

Ciado, em reunião em Jataí nesta quinta-feira (10) (Foto: Divulgação/Assessoria de imprensa)
Ciado, em reunião em Jataí nesta quinta-feira (10) (Foto: Divulgação/Assessoria de imprensa)

Na manhã desta quinta-feira (10), o governador de Goiás solicitou que os prefeitos e comerciantes vendam ‘fiado’ aos servidores estaduais até que os salários de dezembro de 2018 seja pago. A fala teria sido feita durante visita a Jataí, cidade a 320 KM de Goiânia.

“O governador, numa medida emergencial, pediu aos prefeitos que avalizem donos de supermercados e farmácias para que os servidores possam fazer compras e paguem assim que o Estado tenha dinheiro em caixa para quitar a folha de dezembro”, diz um texto da assessoria de imprensa do democrata.

Apesar da afirmação, o governo estadual não tem uma previsão de quanto o pagamento deve ser feito. A primeira tentativa foi de buscar um empréstimo junto ao Governo Federal. Contudo, a secretária da Fazenda de Goiás, Cristiane Schmidt, disse que, por Lei, é impossível um empréstimo federal para pagamento de folha de servidores estaduais. Agora, ela negocia novas possibilidades junto ao ministro da Economia, Paulo Guedes. Mas não sabe qual caminho será tomado.

Na tarde desta quinta-feira, o professor da rede estadual de educação, Thiago Oliveira Martins, gravou um vídeo em um local que ele afirma ser uma padaria. Ele filma apenas o próprio rosto, mas aparece conversando com outra pessoa, que se diz a gerente do local.

“O governador falou que eu podia vir aqui pedir fiado pra você. Você me vende?”, pergunta Thiago. A mulher pergunta quem é o atual governador, a que ele responde: “Caiado”. E repete a pergunta sobre a possibilidade de fazer uma compra para pagar depois que receber.  A suposta gerente, então, responde: “Misericórdia!”.

O vídeo foi postado nas redes sociais. Thiago faz parte do grupo chamado Mobilização dos Professores de Goiás. Independente do Sindicato dos Trabalhadores em Educação de Goiás (Sintego), eles vão realizar uma manifestação nesta sexta-feira (11). Os docentes estaduais já falam em greve mas o Fórum Estadual de Defesa dos Servidores Públicos de Goiás aguarda outra proposta do governo, que não o parcelamento, para avaliar as futuras ações.

Nas redes sociais, muitos servidores questionam se o governo vai permitir o parcelamento de contas pessoais, como de energia e água. “As contas chegaram, o pagamento, não”, postou uma professora.