Do Mais Goiás

Governador discute processo de federalização da Celg em Brasília

O acordo de federalização foi firmado no ano passado.

O governador Marconi Perillo se reuniu, nesta quarta-feira (13/8), com o ministro das Minas e Energia, Edison Lobão, para tratar dos assuntos que estão dificultando a negociação da transferência de 51% das ações da Celg para a Eletrobras. O acordo de federalização foi firmado no ano passado.

Na terça-feira (12/08), após a visita da presidente Dilma Rousseff a Anápolis, onde falou à imprensa sobre o assunto e mostrou mais uma vez boa vontade para resolvê-lo, o Governo de Goiás entrou em contato com o ministro Lobão, para marcar o encontro desta quarta e encaminhar a solução definitiva da federalização da Celg. O encontro ocorreu no início da tarde na sede do Ministério de Minas e Energia, em Brasília.

A reunião teve por objetivo a retomada das discussões sobre os pontos que ainda impedem a federalização definitiva da Celg. O governo estadual deixou para avaliação da equipe técnica da Eletrobrás quatro itens, que considera indispensáveis para que o acordo seja selado. Segundo o presidente da Celg-Par, Fernando Navarrete, que  participou da audiência, o Estado quer um compromisso maior da Eletrobrás com a prorrogação da concessão. “A Eletrobrás pleiteia hoje a cláusula em que, se a prorrogação não acontecer, ela sairia do negócio. Isso para nós não se justifica”, comentou o dirigente da estatal. A Celg quer ainda uma garantia de que a operação de crédito de R$ 1,9 bilhão garanta também recursos para novos investimentos na empresa.

Em várias discussões, a Eletrobrás reafirmou sua posição favorável a que os recursos decorrentes da operação de crédito sejam revertidos para os cofres dela, a título de pagamento dos créditos que ela possui. “Não achamos isso correto”, limitou-se a comentar Navarrete. Outro ponto defendido pelo Governo do Estado está relacionado à qualidade dos serviços. “Precisamos de uma garantia de que essa qualidade esteja dentro dos padrões exigidos pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) e pelo governo. Defendemos como imprescindível essa cláusula de resultado”, salientou.

A última cláusula refere-se à partilha dos lucros da empresa. O Governo de Goiás entende que, com a prorrogação, haverá um grande ganho econômico e financeiro. “Se a prorrogação acontecer, e todos nós contamos com isso, queremos que a Eletrobrás não fique com todo esse ganho sozinha. Esperamos que se reconheça que se trata de um esforço conjunto, e por ser conjunto, se discuta a divisão desses recursos”, acrescentou.

Na próxima segunda-feira, dia 18, haverá uma reunião do conselho da Celg-Par para  discussão da promessa de compra e venda. “Nossa expectativa é que até lá tenhamos uma questão concreta para colocarmos em votação”, finalizou Navarrete.