Jessica Santos
Do Mais Goiás

Goiás ultrapassa 500 mil casos acumulados de Covid-19

Desde o início da pandemia até a manhã desta quinta (8), já são 501.384 registros da doença

Em março, a Covid-19 matou 856 pessoas na semana mais letal em Goiás. (Foto: Jucimar de Sousa/Mais Goiás)
Em março, a Covid-19 matou 856 pessoas na semana mais letal em Goiás. (Foto: Jucimar de Sousa/Mais Goiás)

O estado de Goiás bateu, nesta quarta-feira (7), a marca de mais de 500 mil casos acumulados de Covid-19. Desde o início da pandemia até a manhã desta quinta (8), já são 501.384 registros da doença. Deste número, 478.169 estão curados e 12.489 perderam a vida em decorrência do coronavírus. Os dados são da Secretaria da Saúde (SES).

Conforme aponta o painel eletrônico feito pela pasta estadual, a maioria dos contaminados são mulheres, com 268.017, o que corresponde a 53.46% dos casos. A doença foi detectada em 233.367 homens, equivalente a 46.54%. Os óbitos no sexo masculino, no entanto, prevalecem. A Covid-19 já ceifou a vida de 7.145 homens (57.21%) e 5.344 mulheres (42.79%).

Ainda de acordo com os dados da SES, as pessoas mais contaminadas são aquelas com idade entre 30 e 39 anos, com 116.643 casos. A faixa etária com mais quantidade de óbitos é entre 70 e 79 anos, com 3,1 mil ocorrências. O menor índice de mortes é registrado em pessoas com idade entre 10 e 14 anos.

Os dados são preocupantes também no que diz respeito à taxa de ocupação de Unidades de Terapia Intensiva (UTIs) para o tratamento exclusivo da Covid. Na rede pública, 94.38% dos leitos estão ocupados. Na enfermaria, o índice é de 70.55%. Na rede privada, a taxa é de 92.72% nas UTIs e 70.30% nas enfermarias.

Até o momento, Goiás já aplicou 565,676 doses de vacina contra o coronavírus em relação à primeira dose. No caso da segunda dose, o número é de 140.557 imunizados.

Na manhã de quarta-feira (7), a SES enviou ofício cobrando e orientando as secretarias municipais para que atualizem os dados de vacinação. De acordo com a pasta, mais de 400 mil doses não foram aplicadas ou registradas nos municípios goianos. A secretaria vê com preocupação a falta de atualização nos sistemas, já que indicam suposta existência de vacinas em estoque, o que pode resultar no recebimento de menos imunizantes nas próximas distribuições.