União de forças

Goiás foi o segundo estado que mais prendeu foragidos durante operação nacional das polícias civis

O objetivo principal foi cumprir mandados de prisão emitidos contra pessoas que cometeram crimes graves e violentos


Artur Dias
Do Mais Goiás | Em: 25/04/2019 às 19:44:00

(Foto: Reprodução/PC)
(Foto: Reprodução/PC)

Goiás foi o segundo estado que mais realizou prisões durante a Operação PC27. Os resultados nacionais da ação foram divulgados no final da tarde desta quinta-feira (25) pela Polícia Civil (PC). Os dados consolidados mostram que foram detidas 257 pessoas no estado, perdendo apenas para São Paulo, que prendeu 1002 foragidos. Em terceiro lugar ficou o Rio de Janeiro, com 235 prisões efetuadas.

Além das prisões, a PC de Goiás foi segunda que mais apreendeu armas durante a operação, com 22 apreensões. Em primeiro lugar ficou o Rio Grande do Sul, com 29 armas apreendidas. Santa Catarina ficou em terceiro, com 20 apreensões.

Goiás também teve destaque na apreensão de cocaína: foram 5,4 kg. O estado de São Paulo ficou em primeiro lugar com 115 kg e o estado de Alagoas ficou em terceiro, com 510 g da droga apreendidos.

O que é

A operação PC27 tem um caráter nacional, aconteceu simultaneamente em todos os estados e no Distrito Federal. O objetivo principal foi cumprir mandados de prisão emitidos contra pessoas que cometeram crimes graves e violentos. O foco foi retirar de circulação autores de delitos como roubo, homicídio, estupro, participação em crime organizado, entre outros.

A operação foi possível depois que as PCs de todo o país elegeram uma coordenação nacional para articular essas operações. Com esse cruzamento de dados é possível, inclusive, cumprir mandados de prisão de outros estados.

É o que afirmou nesta quarta (24) o delegado-geral da PC de Goiás, Odair José Soares. Durante a divulgação dos resultados de Goiás, ele disse que todos os chefes de polícias estão envolvidos nessa coordenação.

Delegado-geral da Polícia Civil, Odair José Soares. (Foto: Artur Dias/Mais Goiás)

“Fizemos uma padronização nacional das Polícias Civis”, disse Odair. “Os 27 chefes de polícia se reuniram e elegeram o delegado-geral do Distrito Federal para coordenar essas ações”.

Odair afirmou, ainda, que essa é a primeira de várias operações. “Não podemos dizer as datas, mas o plano é realizar pelo menos duas ações nacionais como essas por semestre”, concluiu.