Saúde

Goiás contra o Aedes reduz em 83% focos do mosquito

O Estado investiu R$ 4 milhões em exames, vistorias, capacitações e comunicação, além de R$ 5 milhões no trabalho da Patrulha da Saúde




A Secretaria da Saúde e o Corpo de Bombeiros Militar avaliaram nesta segunda-feira, dia 11, os três meses da operação Goiás contra o Aedes, que obteve como principal resultado a redução de 83% nos índices de infestação pelo mosquito. A superintendente de Vigilância em Saúde, Maria Cecília Brito, destaca a importância do trabalho dos prefeitos, agentes comunitários de saúde e agentes de combate a endemias nos municípios. “As quatro milhões de vistorias realizadas nesse trimestre foram fruto de muito comprometimento”.

As regionais e superintendências da Secretaria dedicaram-se no apoio, bem como o Comando do Corpo de Bombeiros Militar/Defesa Civil – que coordena a logística e os postos de comando – além do Laboratório Central. As atuações foram decisivas para o rápido levantamento de dados consistentes, georeferenciados e em tempo real, demonstrando a realidade epidemiológica de Goiás.

O Estado investiu R$ 4 milhões em exames, vistorias, capacitações e comunicação, além de  R$ 5 milhões no trabalho da Patrulha da Saúde, que percorreu 95 municípios retirando 500 mil toneladas de entulho, limpando e aterrando dejetos e resíduos urbanos. “Temos hoje um cenário melhor definido sobre a dengue e as outras doenças transmitidas pelo Aedes, como a febre zika, que tem aumentado em Goiás. Os resultados preliminares que impactam na redução dos casos de dengue no Estado em relação ao restante do País são animadores”, diz Cecília.

Dengue
Nas últimas cinco semanas, Goiás registrou uma queda progressiva do número de casos da doença. De acordo com o Boletim de Dengue do Estado na semana epidemiológica 8 (até 27 de fevereiro) houve a notificação de maior incidência da doença em 2016, com 10.311 notificações. Após essa data houve uma redução em todos os outros boletins. Na semana 13 – última divulgada – foram registrados 4.212 casos.

Os próximos desafios são: entrar em quatro aldeias indígenas, 447 distritos e povoados e 306 assentamentos goianos; além de intensificar o trabalho de visitas no Entorno do Distrito Federal e Região Metropolitana de Goiânia. “Aprendemos muito, a despeito do cansaço físico desprendido. Esta é a maior operação de Defesa Civil já realizada pelo Corpo de Bombeiros. A ação está nos tornando mais dinâmicos e interativos, em uma área de conhecimento nova e desafiadora”, disse o comandante de Defesa Civil, coronel Múcio Ferreira.

Ele destacou que o interesse de representantes de governos de outros estados por informações sobre a metodologia usada pelo Corpo de Bombeiros de Goiás é sinal de que o trabalho transformou-se em um exemplo para o Brasil. Na oportunidade, o coronel Múcio Ferreira promoveu elogio militar ao cabo Aistein Alves Oliveira pela total dedicação na Sala de Comando de Operações no Conecta SUS, no trabalho de alimentação de dados na plataforma online e georreferenciada, que permite acompanhar e visualizar o avanço da operação em cada município.