Do Mais Goiás

Goiânia tem ocupação de UTIs acima de 90% pelo segundo dia consecutivo

A ocupação estava em 92,5% na terça-feira e 92,2% na segunda

Nove hospitais privados e privados conveniados de Goiânia estão sem vagas em leitos de UTI voltados para pacientes com Covid-19 (Foto: Jucimar de Sousa/MaisGoiás)
Em 2020, ao menos 1 milhão de procedimentos não foram feitos; em SP, fila para cirurgias é de 130 mil (Foto: Jucimar de Sousa/MaisGoiás)

A taxa de ocupação de leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) na rede de saúde de Goiânia ficou acima de 90% por dois dias consecutivos. Em boletim publicado pela Secretaria Municipal de Saúde na terça-feira (22), 92,5% dos leitos estavam ocupados. No dia anterior, na segunda-feira (21), a taxa estava em 92,2%. Nova atualização deve ser feita na tarde desta quarta-feira (23).

O boletim mostra, ainda, que a maioria das pessoas que precisaram de internação para o tratamento da infecção causada pelo coronavírus procurou hospitais particulares: 58%, contra 42% que foram internados em instituições públicas na capital. Ao todo, 15.777 pessoas ou 9% dos infectados na capital precisaram ser internados.

Na rede privada de Goiânia, a taxa de ocupação também está acima dos 90%. De acordo com o painel da Secretaria de Estado da Saúde, os hospitais particulares estão com 93.29% dos leitos exclusivos para pacientes com Covid ocupados. A consulta foi feita pelo Mais Goiás na manhã desta quarta-feira (23).

Ainda assim, o prefeito Rogério Cruz (Republicanos) assinou decreto com a flexibilização de algumas normas para bares e restaurantes na terça-feira (22). O som mecânico foi autorizado e o número de pessoas permitidas em uma mesa passou de cinco para seis. Apesar disso, está proibido o consumo no local de pessoas em pé. O mesmo vale para panificadoras e padarias.

Já na rede estadual de Goiás, a ocupação de UTIs exclusivas para pacientes com Covid-19 está em 87.12%, dos quais 77 estão disponíveis, 24 bloqueados e 497 ocupados.