Violência

Goiânia é selecionada para participar de projeto de redução de crimes violentos do Governo Federal

Iniciativa selecionou cinco cidades de médio porte e com altas taxas de homicídio, disse o ministro Sergio Moro


Artur Dias
Do Mais Goiás | Em: 15/05/2019 às 19:55:11

Sérgio Moro, atual ministro da Justiça e Segurança Pública (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)
Sérgio Moro, atual ministro da Justiça e Segurança Pública (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Goiânia foi uma das cidades selecionadas pelo ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, para participar de um projeto-piloto de um programa para a redução da criminalidade violenta. O objetivo, de acordo com o ministro, é realizar ações integradas de forças policiais da União, de estados e de municípios para reduzir as taxas de homicídio no país.

Junto com a capital goiana, participarão as cidades Ananindeua (PA), Cariacica (ES), São José dos Pinhais (PR) e Paulista (PE). As cidades foram escolhidas pelos altos índices de homicídio. Além disso, são municípios de médio porte localizados um em cada região do Brasil.

O plano do ministério é fornecer informações de inteligência para as polícias locais. A partir daí, serão realizadas ações e operações de combate ao crime violento. Será criado um comitê de gestão do projeto em cada cidade escolhida, composto por integrantes da SOI (Secretaria de Operações Integradas, recém-criada por Moro), autoridades municipais e estaduais.

O projeto terá também a colaboração de órgãos como o Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos, o Ministério da Educação, entre outros.

Metas e orçamento

No anúncio, o ministro não fixou uma meta de redução das taxas de homicídio. “Vão ser realizadas medidas tendentes a reduzir essa criminalidade de maneira significativa”, disse Moro. “Adotamos as medidas necessárias para a diminuição e esperamos uma diminuição. O quanto será diminuído? É impossível fazer um prognóstico”.

Moro também não disse quanto a iniciativa irá custar aos cofres públicos. Ele ressaltou que o projeto está em fase de elaboração. Por esse motivo ainda não há uma estimativa sobre o valor que o governo vai gastar.

Com informações de FolhaPress