Economia

GloboNews afirma que Marconi “costurou acordo que viabilizou pacto nacional de ajuste fiscal”

Comentarista de economia da emissora, Thaís Herédia afirma que governador teve papel-chave na negociação e que Goiás foi pioneiro na adoção de medidas para contenção dos efeitos da crise




O governador Marconi Perillo foi o responsável pela condução e definição do acordo entre os Estados e a União para a definição do Pacto Nacional de Ajuste Fiscal, afirmou ontem a comentarista de economia da GloboNews, Thaís Herédia, ao comentar as medidas na noite desta quarta-feira no programa GloboNews em Pauta. “O governador Marconi Perillo teve um papel-chave nessa negociação, foi ele que conseguiu encontrar e costurar esse denominador comum entre os 27 Estados”, afirmou.

Herédia afirmou ainda que “o Estado de Goiás foi pioneiro no ajuste”, que vem sendo feito “há alguns anos”. A comentarista de economia da GloboNews relatou entrevista com a secretária da Fazenda de Goiás, Ana Carla Abrão, na qual a auxiliar de Marconi afirma que, mais uma vez, Goiás sairá na frente dos demais Estados e da União “impondo limites ainda mais severos para as despesas públicas”.

Thaís relatou os termos do acordo firmado entre os governadores e o presidente da República, Michel Temer, tendo como ponto de partida as medidas propostas por Marconi. “O que ele (o governador Marconi Perillo) está dizendo é o seguinte: que o Tesouro Federal vai dar a eles (governaddores) aval para tomar dinheiro emprestado no curto prazo desde que as suas Assembleias aprovem pacotes de ajustes importantes como teto de gastos e definir também a reforma da Previdência”. Ainda sobre os termos do acordo que viabilizou o Pacto, a comentarista de economia disse que “o dinheiro que os governadores terão, por ora, é o das multas da repatriação, desde que retirem as ações (pela revisão da distribuição dessa receita) que estavam no Supremo Tribunal Federal”.

O governador Marconi Perillo se reuniu com deputados da base aliada pela manhã, no Palácio das Esmeraldas, para apresentar as medidas que serão enviadas para votação da Assembleia Legislativa, visando aprofundar o corte de gastos no Estado. A reunião contou com a presença do vice-governador José Eliton, do presidente da Assembleia Legislativa, Helio de Sousa, e dos secretários Ana Carla Abrão (Fazenda), João Furtado (Casa Civil), Joaquim Mesquita (Gestão e Planejamento), Tayrone Di Martino (Governo), Alexandre Tocantins (Procuradoria-Geral do Estado) e Manoel Xavier (Detran).

Na reunião, que durou cerca de 2 horas e 30 minutos, o governador pediu apoio da base para defesa do projeto, que faz parte de um compromisso nacional assumido pelos Estados, junto ao governo federal, para equilibrar as contas do País. Nos últimos dias, o ele dedicou boa parte de sua agenda para construção de um consenso entre os Poderes, que permita a votação das medidas pelos deputados estaduais ainda deste ano.

O líder do Governo na Assembleia Legislativa, José Vitti (PSDB) avaliou, na saída da reunião, que as medidas trazem impacto, mas os deputados devem ter responsabilidade com a governabilidade do Estado. Segundo Vitti, ficou claro na reunião que se as medidas não forem adotadas neste momento, não há dúvida de que num curto espaço de tempo, “o colapso com certeza chegará”. Para o líder do Governo, é preciso entender que o Estado precisa se preocupar com os 6 milhões e 700 mil de goianos e não apenas com 150 mil servidores públicos.

Tópicos