Do Mais Goiás

Filha descobre que acusado de matar mãe foi solto 15 dias após prisão, em Goiânia

Vítima foi morta no dia 30 de abril de 2020; denunciados foram presos em 10 de fevereiro de 2021

Após um ano do assassinato da mãe, Camilla Alves, de 39 anos, descobriu que um dos denunciados de cometer o crime foi solto 15 dias depois - Após um ano do assassinato da mãe, filha descobre que o acusado foi solto 15 dias depois de ser preso
Após um ano do assassinato da mãe, filha descobre que o acusado foi solto 15 dias depois de ser preso (Foto: Reprodução/Arquivo pessoal)

Após um ano do assassinato de Haydeé Oliveira da Silva Brito, de 59 anos, a filha dela, a empresária Camilla Alves, de 39 anos, descobriu que um dos denunciados de cometer o crime foi solto 15 dias depois de ser preso. A informação da soltura foi confirmada pela Diretoria-Geral de Administração Penitenciária (DGAP).

O crime aconteceu no setor Vila Mauá, em Goiânia, no dia 30 de abril de 2020. Entretanto, Ednaldo da Conceição Silva e Franquisilva Borges do Nascimento foram detidos apenas 286 dias depois, em 10 de fevereiro deste ano, em Rondon do Pará, por matarem a vítima a facadas.

Após ficar 15 dias preso, Franquisilva recebeu um alvará de soltura provisório, em 26 de fevereiro de 2021. Camilla descobriu nesta quinta-feira (29). “Um acusado não pode ficar impune, a minha dor não pode ficar impune”, desabafa nas redes sociais.

O advogado de Camilla, Raimundo de Albuquerque, conta que os dois já foram denunciados pelo Ministério Público, apresentaram as defesas e aguardam a audiência de julgamento.

Algumas testemunhas que moram no Pará, Estado onde ele foi preso, disseram para Camilla que viram o denunciado andando nas ruas, como se nada tivesse acontecido.

 

Ver esta publicação no Instagram

 

Uma publicação partilhada por Camilla Alves (@camilla_alves_multimarcas)

Crime

Haydeé Oliveira da Silva Brito, de 59 anos, tratava de um câncer de mama quando foi assassinada. A filha dela disse ao Mais Goiás que, no dia da morte, a mãe estava animada, pois faria um tratamento dentário para celebrar celebrar aniversário de Camilla, em 13 de maio.

“Eu e minha filha, que mora nos Estados Unidos, falamos com ela por volta das 18h. Ela disse que ia tomar banho. Por volta das 21h, eu entrei em contato com ela novamente, mas ela não me atendeu. Acreditei que tinha dormido em razão dos fortes remédios que tomava para o tratamento do câncer e da fibromialgia”, lembra Camilla.

Naquela madrugada, a empresária relata ter sentido um mal-estar que a fez acordar por volta das 4h. O dia também teve uma rotina diferente. Ela, que costumava tomar café da manhã com a mãe, decidiu ir à academia para só então ir até a casa de Haydée.

“Eu cheguei no local e me deparei com uma lata de cerveja sobre a mesa da área. Já estranhei aquilo. Minha mãe não bebia. Empurrei a porta e vi que a televisão, que tínhamos acabado de comprar, não estava no lugar. Encontrei o corpo da minha mãe próximo do quarto. Fiquei desesperada e gritei por socorro”, conta, com a voz embargada.

A empresária revela, ainda, que poucos itens foram levados: apenas a televisão e um aparelho celular. Após a prisão dos suspeitos, a Polícia Civil (PC) adiantou que as pessoas que fizeram a receptação dos produtos também foram detidas.

Detalhes

Camilla conta que ficou frente a frente com os autores do assassinato da mãe e ambos relataram com riqueza de detalhes o que aconteceu. “Eles são cunhados. Ednaldo contou que Franquisilva empurrou a minha mãe no chão, que caiu e bateu a cabeça. Minha mãe disse para o Ednaldo: ‘leva tudo, mas não me mata, meu filho’. Ele apenas disse ‘já era’.

A morte aconteceu às 19h, mas os denunciados foram até a casa de Haydeé uma hora depois do crime para buscar a televisão roubada. “Eles foram junto com um traficante, que ameaçava Franquisilva por causa de R$ 150″, conta a filha da vítima.

Na ocasião, ela perguntou se a mãe estava agonizando, mas eles disseram que a senhora ‘já estava morta’. “Foram 11 facadas. No braço, na cabeça, no rosto e no coração dela. Minha mãe morreu por causa de R$ 150”, desabafa.

Depressão

Após a morte da mãe, Camilla conta que entrou em depressão e até hoje faz terapia para cuidar da doença. “Eu tomo remédios, não consigo dormir, às vezes. Mas me seguro nas mãos de Deus para me dar forças. Minha mãe era uma mulher alegre, forte, ajudava os outros sem interesse nenhum”, disse.

O amor pela mãe e o carinho pelo relacionamento que tinham deu forças para que Camilla lutasse por justiça. A empresária revela que chegava a ir à delegacia todos os dias para que o caso não “caísse em esquecimento”.

“Já teve vezes de eu parar meu carro no meio da rua, gritar e chorar. Eu só pedia ajuda para Deus, para aquilo tudo acabar. Até hoje não consegui pegar a biópsia do outro peito dela, no Araújo Jorge”, ressalta.

Moradora reage com indignação ao ver cão com coleira que dá choque em Goiânia; assista ao vídeo.