ADEUS

Famosos e políticos lamentam a morte do jornalista Paulo Henrique Amorim

Britto Jr, ex-presidente Lula e o ator José de Abreu foram alguns que prestaram homenagens na internet. Jornalista morreu de infarto nesta quarta-feira (10)


Fabricio Moretti
Do Mais Goiás | Em: 10/07/2019 às 18:15:20

(Foto: Divulgação)
(Foto: Divulgação)

O jornalista Paulo Henrique Amorim morreu, na madrugada desta quarta-feira (10), aos 77 anos. Amorim estava em casa, no Rio de Janeiro, quando sofreu um infarto fulminante. Diversos famosos e políticos se manifestaram na internet para lamentar o falecimento do apresentador da Rede Record.

No Twitter, o ator José de Abreu escreveu “A vida é um sopro? Por isso temos que curtir cada momento. Aprendi com os franceses o sentido do epicurismo: Ser feliz agora, parar de viver do futuro. Melhor SER do que TER”, disse.

O autor de novelas Walcyr Carrasco twittou sua solidariedade à família do jornalista. “Amigos, quero deixar aqui meus sentimentos aos familiares e amigos do jornalista Paulo Henrique Amorim, que nos deixou hoje. Descanse em paz!”, publicou.

O apresentador Britto Jr publicou sua homenagem no Instagram. “Um dos principais jornalistas do país. Trabalhou nas maiores emissoras, e vinha oferecendo aos seus seguidores nas redes sociais deliciosas publicações. Sempre soube se comunicar de acordo com o público que atingia. Na televisão era o repórter que informava, e em seu site, com toda a liberdade, ele se multiplicava, fazendo comentários políticos com inteligência. Mais um gênio que se vai”, postou.

Outros famosos, como Ana Hickmann, Fabíola Gadelha e Daniela Mercury prestaram homenagens nas redes sociais.

 

Ver essa foto no Instagram

 

Grata por ter recebido seus ensinamentos nos últimos anos! Sentirei saudades do Olá! Tudo bem?! ??

Uma publicação compartilhada por Fabiola Gadelha (@fabiolagadelhaoficial) em

Por meio da conta oficial no Twitter do ex-presidente Lula, foi divulgada a última carta que ele escreveu a Paulo Henrique Amorim. Na carta, o ex-presidente o elogia pelas críticas ao juiz e atual ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro.

A ex-presidente Dilma Rousseff, ex-candidatos à Presidência como Ciro Gomes, Fernando Haddad e Manuela D’Ávila e os governadores do Maranhão, Flávio Dino, e da Bahia, Rui Costa, entre outros políticos, também expressaram pesar pela morte do jornalista.

Trajetória

Paulo Henrique Amorim estreou no jornal A Noite, em 1961, foi correspondente em Nova York da revista Realidade e trabalhou na Veja. Na TV, passou também por Manchete e Globo – onde também foi correspondente internacional–, Band e TV Cultura. Em 1972, ganhou Prêmio Esso, um dos mais importantes do jornalismo brasileiro, na categoria informação econômica, pela reportagem “A renda dos brasileiros”, publicada pela revista Veja.

Entre 2000 a 2004, o jornalista passou pelo UOL, onde foi âncora do UOL News. Além de trabalhos na Record, ele mantinha o blog Conversa Afiada, em que abordava assuntos sobre política e economia. No blog, o jornalista fazia duras críticas ao governo Jair Bolsonaro e também a veículos de mídia.

Bordões

O apresentador ficou famoso pelo bordão “olá, tudo bem?”. O conhecido cumprimento surgiu após a participação em uma edição especial da rede americana CNN. “A emissora disse que gostaria que correspondentes estrangeiros saudassem o público americano na sua língua própria. Eu fiz uma vinheta falando ‘Olá, tudo bem?’, que é a maneira que nós brasileiros saudamos as pessoas”, contou ele.

“Um americano que me viu na CNN me reconheceu e falou: ‘Olá, tudo bem?’ [imitando sotaque]. Aí eu pensei: ‘Opa, é um bordão’. Outro bordão marcante do jornalista era “Boa noite e boa sorte!”, que ele constantemente utilizava no encerramento do Domingo Espetacular, na Record.

Adeus

O velório do jornalista será aberto ao público e acontece nesta quinta-feira (11), das 10h às 15h, na Associação Brasileira de Imprensa, no Centro do Rio. O corpo será cremado no cemitério do Caju. Amorim deixa uma filha, dois netos e a mulher, a jornalista Geórgia Pinheiro.