Versão dos agressores

Exclusivo: Jovem diz que agressões a adolescentes eram motivadas por vingança

As agressões ocorriam em ruas e shoppings da Capital





//

Treze. Esse é o número de adolescentes que fazem parte do grupo “MNS – Marista é Nois” que teve vários vídeos divulgados nas redes sociais na última segunda-feira (l26/02).

As agressões ocorriam em ruas e shoppings da Capital. Todos os integrantes do grupo são filhos de empresários, políticos da Capital e estudam nos mais tradicionais e caros colégios de Goiânia.

Na última segunda-feira (23/02), o MAIS GOIÁS publicou em primeira mão os vídeos que mostram as agressões feitas pelos jovens. No mesmo dia, o adolescente apontado como líder do grupo entrou em contato com o MG para relatar a versão deles.

Inicialmente as informações apuradas pelo MAIS GOIÁS eram de que os jovens escolhiam aleatoriamente suas vítimas. Versão que foi negada pelo menor de 13 anos – que é apontado como líder do grupo de adolescentes e filho de um importante político da região metropolitana.

Segundo ele, as agressões ocorreram porque um dos integrates do grupo teria sofrido bullying na escola e para se vingar ele se juntou a turma para agredir os jovens.

Ouça abaixo o relato exclusivo do jovem

Your browser does not support this audio format.

O MAIS GOIÁS também conseguiu falar com um dos jovens que foi agredido pelo grupo. Ele nega que o motivo das agressões tenho sido por causa de bullying sofrido pelo adolescente mais velho. Ele contou que conhece os agressores. O motivo da agressão que ele sofreu, segundo ele relatou ao MG, foi por causa de uma garota. Ela seria ex-namorada de um dos agressores. Antes de ser agredido, ele recebeu várias ameaças do grupo.

Após a divulgação das imagens pelo MAIS GOIÁS, a Polícia Civil iniciou uma investigação para identificar os agressores. A denúncia chegou até o MG através do aplicativo de mensagens instantâneas WhatsApp.

Logo após a publicação dos vídeos das agressões, o jovem de 13 anos considerado líder do grupo divulgou um áudio onde ele diz que dará um tempo nas agressões por causa da repercussão, mas que voltará a agredir novamente. “Vou esperar a poeira baixar e vou voltar a quebrar filho da p..”, diz.

Ouça

Your browser does not support this audio format.

Em um grupo privado no Whatsapp, o adolescente mais velho ameaçou de morte um jovem que teria comentado sobre a agressão que um amigo dele havia sofrido.

Ouça

Your browser does not support this audio format.

Em uma das imagens, o agressor mais velho, que fez as ameaças, agride um garoto dentro de um shopping do Setor Marista.

A Polícia Civil deve ouvir na próxima semana os pais de dois menores filmados sendo agredidos. O depoimento é necessário para que a Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA) intime os agressores a prestar esclarecimentos.

Veja os vídeos