Saúde

Exame descarta bactéria KPC em bebês que estavam isolados no HMI

O resultado foi divulgado pelo Hospital nesta terça-feira. A Unidade de Cuidados Intermediários Neonatal estava bloqueada desde o dia 17 de março


Karla Araujo
Do Mais Goiás | Em: 28/03/2017 às 16:59:17

(Foto: Reprodução)
(Foto: Reprodução)

Os exames finais das culturas de vigilância dos quatro recém-nascidos que estão internados na Unidade de Cuidados Intermediários Neonatal (Ucin) do Hospital Materno Infantil (HMI) foram negativos para bactéria multirresistente Kleibisiella Pneumoniae Carbapenemase (KPC). A informação foi divulgada nesta terça-feira (28) pela assessoria do hospital.

Rita Leal, diretora regional do Instituto de Gestão e Humanização (IGH), Organização Social responsável pela administração do hospital, afirma que a disponibilização dos leitos ocorreu após a Ucin passar por uma limpeza terminal. “Faz parte do protocolo. Nossa a Comissão de Controle de Infecção Hospitalar agiu com muita responsabilidade o tempo todo”, afirma a diretora.

Ainda de acordo com Rita, ainda não é possível dizer precisamente o que levou à contaminação da Ucin pela KPC, mas a diretora afirma que a superlotação é um agravante. “O HMI recebe pacientes graves de diversos estados e alguns que nem são de nossa competência. Esperamos que os órgãos de regulação municipais e estaduais tenham consciência da importância do trabalho em rede e evite as superlotações”, disse Rita.

Dois recém-nascidos que estavam na Ucin morreram há quase duas semanas após contrair uma infecção causada pela KPC. A unidade estava bloqueada desde o dia 17 de março.

Tópicos