TENTATIVA DE HOMICÍDIO

Ex-vereador é preso suspeito de tentar matar prefeito de São Domingos; vídeo

Delegado diz que a arma falhou quando o político tentou atirar. "Quando o disparo não saiu, eu parti para cima dele", afirmou prefeito


Fabricio Moretti
Do Mais Goiás | Em: 24/10/2020 às 16:10:17

(Foto: Reprodução)
(Foto: Reprodução)

Um ex-vereador do município de São Domingos, a 569 quilômetros de Goiânia, foi preso na última sexta-feira (23) suspeito de tentar matar o atual prefeito da cidade, Cleiton Martins (PL). Um vídeo de câmeras de segurança registrou o momento.

Na gravação, Cleiton Martins usa uma camiseta vermelha. É possível ver que o ex-vereador, que usa uma camiseta branca, coloca a mão na cintura e depois aponta algo para o prefeito, que seria a arma de fogo. Cleiton corre atrás do suspeito, seguido por outras duas pessoas que percebem a confusão.

O prefeito consegue tomar a arma de fogo do ex-vereador e desfere vários golpes contra ele. Os outros homens que estão no local tentam separar os políticos e cessar as agressões. Cleiton Martins chega a dar dois tapas na cabeça do homem, que ficou imobilizado até a chegada da Polícia Militar (PM).

Segundo Alexandre Câmara, delegado responsável pelo caso, quando o ex-vereador tentou atirar em Cleiton, a arma falhou.

“Uma testemunha relatou que o autor se aproximou do prefeito e disse que queria conversar. Quando Martins pediu para ele aguardar, o homem sacou o revólver. Depois, quando estavam atracados, alguns tiros foram efetuados, mas ninguém se feriu”, afirma Câmara. Os dois foram conduzidos à delegacia.

Para o G1, o prefeito de São Domingos disse que o homem foi até ele “tratar de assunto referente à política”. “Quando o disparo não saiu, eu parti para cima dele para tomar a arma”, relatou.

Martins disse ainda que, um dia antes, o autor havia dito para o vice-prefeito da cidade que iria atirar em Cleiton.

O caso é investigado como tentativa de homicídio. O Mais Goiás não conseguiu contato com os envolvidos. O espaço no portal está aberto para manifestações.

*Com informações do G1