Francisco Costa
Do Mais Goiás

Ex-secretário do MDB diz que sua demissão foi “gesto ao Republicanos em Brasília”

Andrey Azeredo foi um dos emedebistas demitidos pelo prefeito Rogério Cruz, em Goiânia

Andrey diz que foi pressionado a pedir exoneração como gesto ao Republicanos de Brasília
Andrey diz que foi pressionado a pedir exoneração como gesto ao Republicanos de Brasília (Foto: Jucimar de Sousa / Mais Goiás)

Antes de deixar secretaria de Governo, Andrey Azeredo diz que foi pressionado (por um secretário particular do prefeito, tendo Daniel Vilela como testemunha) a pedir exoneração como gesto ao Republicanos de Brasília. O emedebista também afirmou ao portal, em entrevista ao podcast do Mais Goiás, Poder em Jogo – de segunda (5) -, que Vanderley Tavares, presidente do partido no DF, participou das decisões do gestor.

“Eu disse que não iria pedir e que se o prefeito quisesse, que me exonerasse, o que foi confirmado no dia seguinte.” Andrey explicou, ainda, que, quando a decisão estava tomada, ele pediu o nome do futuro secretário (Arthur Bernardes) para redigir o decreto de saída, mas nem o prefeito Rogério Cruz (Republicanos) e nem Vanderley lembravam o nome.

“Tudo dava a entender que não conhecia”, disse sobre o prefeito Rogério. “Pessoas estranhas à cidade de Goiânia aqui chegaram sem compromisso algum, sem conhecer ninguém e começaram a se apropriar pela complacência de Rogério, do poder que foi dado à urna a Maguito e a Rogério.”

Andrey afirmou também que, sobre a saída de Luiz Bittencourt da Seinfra – que entregou o cargo na última semana após a suspensão das obras de asfalto na cidade e o pedido de auditoria retroativo a 2017 – foi uma terceirização da cadeira de prefeito ao secretário de Governo, Arthur Bernardes. “Foram 3 ou 4 decretos que transfere o poder de ordenar despesas, estabelecer pagamentos, de priorizar licitações que serão priorizadas ou não, de estabelecer o programa de governo do município.”

Em 16 de março, foi publicado no Diário Oficial a exoneração de Andrey Sales de Souza Campos Araújo, mais conhecido como Andrey Azeredo, e a nomeação de Arthur Bernardes de Miranda, do PSD de Brasília e ligado à igreja Universal.

“Havia uma orquestração para que todos [os secretários] fossem desgastados até que eles [grupo de Rogério] conseguissem alguém do interesse deles, para o projeto deles.”

Rogério

Vale destacar, o prefeito Rogério Cruz disse, em coletiva nesta tarde, que não expulsou ninguém e quem deixou a gestão foi Daniel Vilela e seu grupo. O gestor declarou, ainda, que ele é o líder do processo e que tudo que foi publicado está alinhado com o plano de governo de Maguito.

Além disso, reiterou por mais de uma vez que quem decide sobre a gestão é ele. “São legítimas as mudanças implementadas por mim.”

Leia mais: 

Ex-secretário ligado ao MDB pede para Rogério “não aceitar imposições da igreja”

MDB rompe com prefeito de Goiânia e 14 nomes ligados à sigla deixam o Paço

Rogério Cruz: “Daniel não foi eleito, foi o pai dele”