Aliança política

“Eu não disputo vagas [em chapas]”, diz Lúcia Vânia

A declaração foi dada durante uma convenção que reuniu líderes do PSB em Goiânia. A senadora enfatizou que, se for disputar a reeleição, será como reconhecimento e continuidade ao trabalho que vem desenvolvendo


Bárbara Zaiden
Do Mais Goiás | Em: 04/07/2018 às 14:52:14

A senadora, ao lado do presidente metropolitano do PSB em Goiás, Elias Vaz, e demais autoridades do partido | Foto: Bárbara Zaiden
A senadora, ao lado do presidente metropolitano do PSB em Goiás, Elias Vaz, e demais autoridades do partido | Foto: Bárbara Zaiden

A senadora Lúcia Vânia (PSB) afirmou na manhã desta quarta-feira (4) que não vai disputar vagas  para participar da chapa da base aliada do Governo de Goiás. “Eu já disse várias vezes para a imprensa que eu não disputo vagas [em chapas]. Eu só serei candidata se houver um apelo da própria chapa, no sentido de colaborar. Fora isso, não”, disse aos repórteres. A fala foi feita durante convenção que reuniu os líderes do PSB em Goiânia.

“Se entenderem que o meu nome acrescenta alguma coisa, eu estarei disponível. Caso contrário, não vou disputar”, enfatiza. A aliança, que está em definição, é liderada pelo atual governador José Eliton (PSDB). Até o momento, uma das vagas na pré-candidatura ao Senado Federal, pela base aliada, é do ex-governador Marconi Perillo.

As especulações demonstram que a segunda vaga ao Senado deveria ser de Demóstenes Torres (PTB) ou Lúcia Vânia. A senadora diz que essa é uma disputa inexistente, que na verdade está sendo provocada, já que ela se nega a disputar qualquer vaga dentro da chapa majoritária.

Contudo, Lúcia dá indícios de que ela seria a melhor escolha para essa aliança: “eu trabalhei oito anos para o Estado, ele ficou oito anos licenciado. É muito complicado estabelecer critérios dentro de uma situação que é inusitada. Eu não entendo como é que as coisas caminham nessa direção”.

A senadora enfatizou que, se for disputar a reeleição, será como reconhecimento e continuidade ao trabalho que vem desenvolvendo. “A minha pretensão não é pessoal, eu não tenho que reescrever a minha história, não tenho que corrigir desacertos, não tenho que prestar contas de nada que tenha sido feito, a não ser trabalhar em favor de Goiás”, disse, como uma referência aos processos respondidos pelo ex-senador Demóstenes.

Em relação ao favoritismo que nas pesquisas, a senadora explica que seria um reconhecimento ao seu trabalho. Sobre a possibilidade de se aliar a Ronaldo Caiado, ela isso ainda não foi discutido e que a posição dela será definida na convenção do partido. “Eu continuo sendo senadora 24 horas”, afirmou, explicando que o evento dessa manhã era um alerta aos pré-candidatos sobre as mudanças na legislação.

Ela ainda explicou que as alianças e a formação de uma chapa majoritária no Partido Socialista Brasileiro seria definida ainda hoje, na reunião. E afirmou que essa chapa depende das lideranças e da força política que representa. Lúcia completa, dizendo que essa chapa tem que ser competitiva e que vai disputar um momento de descrença e cobranças de lisura por parte da população, que devem ser levados em conta.