Do Mais Goiás

Estudantes de Goiânia desenvolvem aplicativo para auxílio no monitoramento da febre amarela

Aplicativo já está disponível para população e o projeto participa de etapa nacional do Torneio de Robótica, em Brasília

Alunos do Sesi Vila Canaã desenvolveram um aplicativo de celular para auxiliar a Prefeitura de Goiânia a monitorar a febre amarela em macacos e a conscientizar a população a preservar a vida desses animais. O projeto de nome Sentinelas garantiu vaga na etapa nacional do Torneio de Robótica FIRST® LEGO® League (FLL), que começa hoje (17) em Brasília, e terá a participação de 74 equipes de todo o Brasil.

A parceria com a Saúde existe há dois anos e a equipe foi premiada em 2016 pelo projeto que sugeria a identificação em rótulos do descarte adequado de embalagens. O controle do lixo e destinação correta estão diretamente ligados ao controle do Aedes aegypti, mosquito transmissor da febre amarela e outras doenças.

O aplicativo “Sentinelas Febre Amarela” é de simples usabilidade, gratuito e está disponível há cerca de quatro meses na loja de aplicativos Android (Play Store). Além de diversas informações como vetores, reservatórios, transmissão e imunização contra a febre amarela, com ele é possível tirar foto de um macaco morto e enviar para a diretoria de Vigilância em Zoonoses da Secretaria Municipal de Saúde (SMS).

Os dados, foto e localização via GPS, facilitam a notificação de morte de primatas (epizootias) e, a partir de então, a equipe da Vigilância consegue verificar se o vírus da febre amarela está circulando no ambiente, mapeando as áreas de risco

O monitoramento das epizootias é fundamental para definir estratégias de vacinação e de combate ao Aedes aegypti. Para o superintendente de Vigilância em Saúde da SMS, Robson Azevedo, “a iniciativa do Sesi, em parceria com a Prefeitura, auxilia as ações da Vigilância e ajuda na conscientização da população em geral. Além disso é importante porque garante a inserção e familiarização desses jovens, que futuramente estarão no mercado de trabalho, em questões de saúde pública”.

Ideia

O professor de tecnologia educacional do Sesi Vila Canaã, José Nazaré Junior, explica que o projeto nasceu da preocupação em conscientizar a população de que o macaco não é um transmissor da febre amarela, mas que funciona como reservatório da doença e é também vítima nesse processo. Além disso, a identificação de infecções nesses primatas pode apoiar ações de prevenção da doença em humanos. Com os surtos de febre amarela em algumas regiões do Brasil, a partir de dezembro no ano passado, esses animais têm sido atacados e até mortos por medo da população em relação à transmissão do vírus.

A estudante Maria Eduarda Silva, 15 anos, reforça que a intenção do projeto é preservar a vida dos macacos e revela a expectativa para o torneio. “Estamos com expectativa muito boa, pois o investimento no projeto foi maior esse ano e esperamos ficar entre os melhores”, afirma.

Competição 

O Torneio de Robótica FIRST® LEGO® League (FLL) é um programa internacional voltado para crianças de 9 a 16 anos, criado para despertar o interesse dos alunos em temas como ciência e tecnologia dentro do ambiente escolar. No Sesi Vila Canaã, os dez alunos integrantes do projeto cursam do 7º ano do Ensino Fundamental ao 1º ano do Ensino Médio, com idade média de 13 ano.