Educação

Estudantes da UEG paralisam atividades por “estrutura defasada” no campus de Itumbiara

Alunos de graduação pedem melhorias na instituição, principalmente no que diz respeito à estrutura. Movimento se estenderá até sexta-feira (21)


Juliana França
Do Mais Goiás | Em: 20/09/2018 às 16:40:58

Paralisação começou nesta quarta-feira (19). (Foto: Leitor/Mais Goiás)
Paralisação começou nesta quarta-feira (19). (Foto: Leitor/Mais Goiás)

Estudantes de graduação paralisaram as atividades no campus da Universidade Estadual de Goiás (UEG), no município de Itumbiara. A movimentação, que teve início na quinta-feira (20) seguirá até sexta-feira (21), em prol, principalmente, de melhorias na infraestrutura da instituição. Na quarta-feira (19), professores pararam a programação para exigir melhores condições de trabalho.

Essa é a posição do acadêmico do 6º período de Educação Física, Saulo Nunes dos Santos, 31. “A UEG não está preparada para fornecer qualidade de ensino para os cursos que tem. Aqui é um campus totalmente voltado para a área da saúde, mas faltam equipamentos e laboratórios”, revelou.

Além de Educação Física, o campus de Itumbiara oferta cursos de Enfermagem, Farmácia e Ciências Econômicas. Em 2019, Medicina passará a compor a grade. “A universidade não tem condições de receber mais um curso. Minha graduação se restringe a aulas teóricas, já que falta equipamentos para a realização de aulas práticas”, completou o estudante de Educação Física.

Problemas

Entre as reivindicações dos estudantes, estão a construção da pista de atletismo e o novo laboratório de anatomia. “A quadra que nós temos não tem o tamanho adequado para a prática de esportes e a piscina, além de ser descoberta, não é aquecida, o que compromete as aulas no período mais frio”, explicou Saulo.

Além disso, os estudantes reclamam que não há um Restaurante Universitário no campus. “A faculdade tem uma única cantina para alimentar todos os alunos. O restaurante mais próximo fica a 5 quilômetros”. Eles também protestam contra o transporte público,  que “não atende as demandas”  de quem frequenta a UEG.

“Os horários dos coletivos não correspondem as demandas dos estudantes e a principal via de acesso até a universidade está em péssimas condições, cheia de buracos e causando prejuízo aos veículos que passam por lá”, afirmou. O estudante disse ainda que esses problemas se intensificam no período de chuva.

Construção do Laboratório de Anatomia está parada. (Foto: Leitor/Mais Goiás)

Reclamações

No último dia 1º, os professores e servidores de todos os campus da UEG se reuniram para reclamar por melhores salários e qualidade de ensino. No dia 11, um relatório foi enviado ao reitor com as demandas propostas nessa reunião. Entretanto, a resposta não foi favorável e, por isso, os professores paralisaram as atividades na quarta, iniciativa que recebeu apoio dos alunos. O movimento desta quinta é composto apenas por estudantes, que na segunda-feira (25) deverão enviar um novo documento com reivindicações à reitoria.

Por nota, a UEG informou que as reivindicações dos estudantes do Campus Itumbiara serão analisadas assim que forem remetidas formalmente, o que não aconteceu até o presente momento. A universidade esclarece que as atividades administrativas no local seguem em normalidade, assim como o livre acesso ao campus. A UEG afirmou ainda que o Campus Itumbiara está em pleno funcionamento, com instalações adequadas e que garantem a realização das atividades das graduações ofertadas.