Política

“Estamos construindo uma aliança pela governabilidade para o presidente Alckmin”, diz Marconi

Ex-governador movimenta agenda política da candidatura do PSDB para a presidência da República


Altemar Santos

Do Mais Goiás | Em: 18/06/2018 às 20:04:04


Ex-governador movimenta agenda política da candidatura do PSDB para a presidência da República
Ex-governador movimenta agenda política da candidatura do PSDB para a presidência da República

Coordenador político da campanha do PSDB para a Presidência da República, o ex-governador Marconi Perillo já está movimentando intensamente a agenda da costura de apoios partidários ao pré-candidato tucano Geraldo Alckmin. “Estamos construindo uma aliança pela governabilidade. Não adianta só ganhar, mais importante que ganhar é governar, porque o que se espera do próximo presidente é gigantesco”, afirmou Marconi nesta segunda-feira (18/6) em São Paulo, ao participar de plenária sobre perspectivas políticas e econômicas para o Brasil promovida pela Associação Comercial de São Paulo (ACSP).

Nas reuniões desta segunda-feira e do fim de semana, Marconi priorizou as conversações com PPS, PV, PTB e PSD. Neste domingo, Marconi, Alckmin e o pré-candidato do PSDB ao governo do Estado de São Paulo, João Doria, discutiram a aliança presidencial com o presidente do PSD nacional, o ministro da Ciência, Tecnologia, Inovação e Comunicações, Jorge Kassab (SP), o ex-senador Jorge Bornhausen (SC) e o ex-deputado federal Pimenta da Veiga (PSDB-MG). Hoje, Marconi esteve novamente com Alckmin para discutir a proposta de fundação de um movimento suprapartidário de apoio à candidatura presidencial do ex-governador de São Paulo.

“O que se espera do próximo presidente é gigantesco. Só o presidente Alckmin, com sua capacidade de diálogo, com sua experiência à frente de quatro mandatos como governador de São Paulo, a maior economia do País, tem o preparo para assumir tamanha responsabilidade”, disse Marconi à imprensa após participar da plenária da ACSP. “Estamos conversando com as forças de centro, mas a verdade é que só o PSDB tem hoje uma aliança encaminhada”, disse. “Estamos conversando com esses partidos, mas as conversas continuarão até as convenções”, disse Marconi, ao observar que a partir daí é que o processo eleitoral começará para valer.

O ex-governador está coordenando a criação de um grupo suprapartidário, formado por representantes de diferentes segmentos da sociedade civil, de apoio e contribuição à plataforma de Alckmin e do PSDB e seus aliados para a disputa pela Presidência da República. “Discutimos com o presidente Alckmin a criação desse movimento suprapartidário, que deve anunciar o apoio a ele no início de julho, um movimento mais amplo, de diálogo, de debate, de discussão de ideias”, disse Marconi.

Marconi participou em São Paulo da Sessão Plenária Conjunta dos Conselhos Político e Social e de Economia da Associação Comercial de São Paulo (ACSP), que teve entre os palestrantes o ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Gilberto Kassab. Em sua intervenção, ele afirmou que o País precisa aprovar uma ampla e urgente reforma política que inclua entre suas principais medidas a redução dos gastos com o Poder Legislativo, por meio da redução do número de senadores e deputados federais em um terço. “Precisamos reduzir os custos do Brasil. Temos senadores e deputados demais”, disse Marconi, durante participação

“Precisamos fazer uma reforma política no País. Defendo a redução de 1/3 no Senado e na Câmara dos Deputados. Temos que reduzir o tamanho da burocracia. Tem que diminuir para sobrar dinheiro para investir em áreas prioritárias para população que mais precisa da ajuda do governo”, afirmou Marconi durante a plenária, realizada na manhã desta segunda-feira. Marconi disse que com diálogo com a classe política e a população é possível promover mesmo as reformas mais profundas, dando como exemplo sua experiência em Goiás. “No meu último mandato, à frente do Governo de Goiás, eu reduzi o número de secretarias de 16 para 10”, relatou.