Chikungunya

Enterro simbólico do mosquito da dengue reúne autoridades, artistas e populares

Cortejo fúnebre do Parque Vaca Brava ao Parque Areião chamou atenção da população para o combate ao mosquito transmissor da dengue e chikungunya





//

Artistas e profissionais liberais se juntaram na manhã deste sábado (06/12) aos 400 agentes de saúde da Prefeitura de Goiânia para fazer um cortejo fúnebre do Aedes aegypit, o mosquito transmissor da dengue e da chikungunya. A ação fez parte do Dia D de combate às duas doenças, realizada anualmente pela Secretaria Municipal de Saúde.

O artista plástico Siron Franco, autor da ideia, e o cartunista Jorge Braga caminharam ao lado do prefeito de Goiânia, Paulo Garcia, do secretário municipal de saúde, Fernando Machado, do secretário estadual de saúde, Halim Girade e várias autoridades municipais e estaduais.

Centenas de pessoas participaram da caminhada, que partiu do Parque Vaca Brava com chegada no Parque Areião. No cortejo simbólico, agentes de saúde carregaram a obra de Siron, um caixão de três metros com as figuras de mosquitos gigantes.

O artista explicou que, em todas as campanhas publicitárias que já viu contra a doença, o mosquito aparece vivo. “Achei que a ideia do mosquito morto, ampliado em três metros, poderia causar um impacto. A ideia é que, mosquito bom é mosquito morto”, completou.

Até o dia 03 de dezembro, haviam sido notificados 26.743 casos de dengue e 18 óbitos pela doença. Da febre chikungunya, foram notificados 15 casos, sendo que dez ainda estão em investigação e os dois confirmados foram adquiridos na Guiana Francesa e outro no Caribe. Os outros três casos foram descartados.