ADVERSÁRIO DO PSG

Entenda por que o RB Leipzig é o time mais odiado da Alemanha

Formado pela Red Bull com uma visão corporativa, clube vai contra a cultura do que é o futebol no país


Agência O Globo
Agência O Globo
Do Agência O Globo | Em: 17/08/2020 às 15:11:32

RB Leipzig, adversário do PSG, de Neymar, nesta terça-feira (Foto: AFP)
RB Leipzig, adversário do PSG, de Neymar, nesta terça-feira (Foto: AFP)

Eis um caso que resume toda a abordagem do Red Bull Leipzig,  a partir de um relato que ilustra as complicações em torno do clube. Em 2015, alguns de seus ultras, espécie de torcedores organizados – porque sim, eles existem — tentaram colocar uma faixa de protesto contra um grupo de extrema direita na Alemanha. Eles foram impedidos de entrar na Red Bull Arena e alguns receberam ordens de proibição de liberdade condicional. Isso foi para um ato que é considerado uma parte essencial da cultura do futebol alemão. Evidentemente, não seria uma parte essencial da cultura pretendida de RB.

Algum tempo depois, o CEO do clube Oliver Mintzlaff disse o seguinte: “Não aprovaremos banners com mensagens políticas. Não é para isso que servem um estádio e um jogo de futebol. ”

A última parte dessa citação é provavelmente muito mais grave do que Mintzlaff percebeu.

Para o quê serve exatamente um jogo de futebol é uma das questões centrais em torno de todo o projeto RB, e por isso ela é tão polêmica antes da semifinal da Champions League na terça. Essa partida não será apenas o Paris Saint-Germain contra o RB Leipzig. Será o Qatar contra a Red Bull, uma luta entre dois projetos paralelos onde o futebol não é o objetivo principal. É um veículo estatal contra uma franquia de bebidas.

Porque é isso, inevitavelmente, o que seus donos vêem nesses clubes. Já se sabe muito sobre as intenções de lavagem esportiva do Qatar com o PSG. Enquanto isso, o “Independent” teve acesso a uma reunião nos bastidores do RB Leipzig, quando o proprietário da marcada de bebidas Red Bull, Dietrich Mateschitz, foi questionado sobre o projeto.

— É um empreendimento comercial, disse Mateschitz. — Não vou vender uma lata de energético extra com isso, mas vamos criar muito reconhecimento da marca.

Uma frase tão corporativa como “consciência da marca” não é o motivo pelo qual muitos de nós entramos no futebol. E embora seja verdade que o propósito não é tão importante quanto o soft power, é questionável e provoca muito debate sobre a direção do jogo e seu papel.

Essa diferença sobre o que o jogo deveria ser alimenta a tensão central em torno do RB Leipzig.

Enquanto figuras como Mateschitz vêem que o clube é um veículo para o comércio, a cultura do futebol alemão vê isso como uma representação da comunidade, e muito mais do que um jogo. O esporte, em especial o futebol, é uma experiência comunitária. Este é um ponto de vista que foi articulado de forma mais agressiva pela revista “11Freunde” esta semana, que anunciou que se recusariam a cobrir a semifinal de terça-feira. “O RB Leipzig não é um clube de futebol, mas uma imitação … nunca teve a intenção de apenas jogar futebol.”

Muitos torcedores de outros clubes há muito defendem a mesma opinião, recusando-se a assistir a jogos fora de casa na Red Bull Arena. No entanto, como 40.000 torcedores que vão aos jogos do RB Leipzig vão para assistir ao time jogar futebol, essa é uma das vertentes que começa a complicar o quadro. Robert Claus, um acadêmico alemão especializado na cultura de torcedores, vê o RB Leipzig como quase  representante singular de uma série de outros problemas.

— Há uma longa história de protestos de torcedores nos últimos 30 anos — disse Claus. — Você pode ver isso contra a violência policial, assentos em arquibancadas, TV privada, a divisão dos dias de jogos, e acho que tudo culmina no debate sobre o RB Leipzig. Eles não têm uma longa tradição, não têm uma adesão ampla, os torcedores os chamam de um produto artificial. Nenhum outro clube simboliza a comercialização radical do futebol alemão e a quebra de regras, como o RB Leipzig.

Esse eventual problema foi embutido neles desde o início. Todo o projeto começou quando a Red Bull comprou o clube da quinta divisão, o SVV Markranstädt, e mudou quase tudo sobre eles. Um clube, embora modesto, havia se tornado uma propaganda gigante.

Não se deve esquecer aqui, porém, que algumas das instituições sociais mais queridas do futebol tiveram origens controversas, quase artificiais.

O Liverpool foi fundado por causa de uma disputa de aluguel entre o dono do Everton e do Anfield, John Houlding, este último precisando de um novo clube para jogar no estádio. O Chelsea foi criado para ganhar dinheiro com Stamford Bridge quando o Fulham não queria jogar lá. Na Alemanha, o Bayer Leverkusen foi considerado um outsider por muito tempo, porque era um dos poucos clubes diretamente ligados a uma empresa comercial.

Todos esses debates se perdem no tempo, à medida que os clubes se integram às suas comunidades e as gerações se unem.

— Isso pode acontecer com o RB Leipzig na próxima década — diz Claus. — Mas acho que é preciso muito mais ação do clube.

É aí que fica ainda mais complicado, pelo menos no que diz respeito à ação que permite acesso ao clube à comunidade. Embora Leipzig tenha aderido à famosa regra 50 + 1 da Alemanha, em que os membros detêm a maioria dos direitos de voto, a crítica é que eles “foram contra seu espírito” ao explorar cinicamente suas lacunas. Embora a associação na maioria dos clubes custe menos de € 100 euros por ano, ela começa em € 1.000 com Leipzig, e isso ainda não dá direito a voto. Apenas 19 pessoas no clube podem eleger o presidente. Clubes como Borussia Dortmund e Schalke, por outro lado, têm mais de 100.000 membros pagantes cada, que têm direito a voto em questões que vão até o preço dos ingressos.

— Em Leipzig, não há possibilidade de participação no clube — diz Claus. — Isso é uma coisa importante para a cultura de torcedores na Alemanha. Não se trata apenas de torcer por um clube. É sobre participar.

É por isso que os problemas com o RB Leipzig vão além do fato de ser basicamente uma ferramenta de marketing, e por isso é muito simplista dizer que é apenas outra forma de capitalismo no jogo.

— É uma ameaça à democracia no futebol quando os jovens torcedores não podem participar da experiência democrática — argumenta Claus.

O RB Leipzig vai contra a ideia do que significa ser um clube de futebol na Alemanha. Eles são o centro da comunidade, e a comunidade se torna o centro do clube. Mesmo os superclubes, apesar de todas as suas grotescas mutações modernas, surgiram de pessoas. Até o Bayer Leverkusen cresceu com funcionários que queriam apenas jogar futebol.

Muitos na Alemanha temem que o maior problema com o RB Leipzig é que eles estabeleceram um precedente que pode mudar o que são os clubes.

É aqui que muitos diriam que o modelo está quebrado. Tem sido argumentado nestas mesmas páginas que a adoção do hipercapitalismo pelo futebol está erodindo o que é o jogo. É esta situação, e a forma como clubes como o Bayern usaram a sua influência nisso, que tornou o interesse de grupos como o Red Bull pelo futebol totalmente inevitável.

Além do mais, eles conseguiram isso de uma forma bastante progressiva. A equipe inteira custa menos da metade dos salários de Neymar e pouco mais da metade dos de Kylian Mbappé. Eles são uma cara nova nas semifinais da Liga dos Campeões, assim como estão no topo da Bundesliga.

Embora isso tenha aumentado o equilíbrio competitivo, a questão é que também está aumentando o problema de outra forma. É apenas mais capitalismo, estreitando ainda mais o jogo, ao invés de trazer a redistribuição que realmente é necessária. É também um capitalismo corporativo, o que tem maiores consequências para o planeta.

UM TIME DA ALEMANHA ORIENTAL

Um fato inevitável é que o Leipzig aumentou a distribuição geográfica dos clubes da Bundesliga. A cidade foi por muito tempo a mais populosa sem uma equipe nas três primeiras divisões. Leipzig também marcou um ressurgimento extremamente necessário para o futebol na antiga Alemanha Oriental, a partir de um sistema que muitos consideravam favorável ao oeste mais rico.

Alexander Zorniger foi o gerente que alcançou as primeiras promoções iniciais do RB Leipzig nas divisões inferiores e pôde ver o efeito na cidade alemã.

— A federação alemã foi fundada em Leipzig, então é uma cidade histórica do futebol, mas desapareceu do mapa do futebol alemão — disse ele. — Na quarta divisão, tínhamos 7.500 pagantes, e isso em um estádio da Copa do Mundo, então parecia um pouco vazio. Mas no terceiro escalão, foi para 15.000 e quase esgotou com 40.000 quando tivemos a chance de subir para a Bundesliga. Então, quase dobramos a média de espectadores a cada ano.

Claus, porém, vê como paternalista apenas pensar que isso é bem-vindo por todos na região.

— É porque o clube não tem raízes na história da Alemanha Oriental. Em segundo lugar, não é como se o RB Leipzig estivesse criando milhares de empregos na região e se engajando socialmente. É claro que eles têm seus pequenos programas, as empresas modernas têm agora, mas não é como se eles estivessem se engajando nas estruturas locais ou na comunidade.

— Não se poderia descrever o RB Leipzig como uma instituição social dessa forma. Existem outros clubes em Leipzig que definitivamente seriam descritos dessa forma, mas eles jogam na quarta divisão, Lokomotiv e BSG Chemie.

Os torcedores desses clubes, assim como de outros da antiga Alemanha Oriental, têm se comportado com hostilidade em relação ao RB Leipzig justamente por esse motivo.

Os torcedores do Union Berlin, time mais à esquerda politicamente da capital, ficaram em silêncio desde o início de uma partida contra eles no início da temporada para protestar contra o seu modelo, enquanto os torcedores do Dínamo Dresden, três anos atrás, jogaram uma cabeça de touro decepada no campo. Este último trouxe 35.000 torcedores para jogos fora de casa, refletindo a riqueza da tradição do futebol na área. É por isso que existe uma animosidade real a esse desvio da tradição.

— Era ódio desde o primeiro jogo que jogamos, especialmente no leste — diz Zorniger. — Eu me lembro do nosso primeiro jogo contra Hallescher, eles jogaram pedras no nosso ônibus. Não há dúvida de que eles são o clube mais odiado – mas também há respeito.

Certamente há respeito dentro do jogo. Isso mostra o valor de uma tela em branco no futebol. Leipzig não se preocupa com nada. Eles podem apenas fazer o que é a melhor prática.

Uma figura do futebol que trabalhou com uma série de clubes importantes em toda a Europa disse ao The Independent que “se você estivesse começando um clube agora, Leipzig seria o modelo a seguir”.

— O recrutamento deles é excepcional. Eles consistentemente encontram jogadores em uma idade jovem e os desenvolvem, antes de reinvestir quaisquer lucros. Isso é o que todo clube deve fazer.

Eles também são uma escola de coaching eficaz, trazendo jovens gestores por meio de princípios definidos por Ralph Rangnick, que estão sempre sendo monitorados e atualizados, para influenciar o jogo moderno. Basta olhar para figuras como Marco Rose, Ralph Hasenhuttl, Danny Rohl do Bayern e Julian Nagelsmann.

Como em tudo o mais, porém, também há complicações nisso. A própria academia do RB Leipzig ainda não produziu um jogador que jogou um único minuto na Bundesliga. Em vez disso, seus graduados são transferidos para uma rede de clubes franqueados da Red Bull. Um total de 18 jogadores se mudaram de Salzburgo para Leipzig, incluindo os atuais semifinalistas Dayot Upamecano e Marcel Sabitzer.

Há então o próprio futebol, motivo de tudo isso. Divertido e moderno como é, é outra parte das vendas.

— Combina com a marca Red Bull — afirma Zorniger. — Isso lhe dá asas e todas essas coisas. Você não está entretendo as pessoas se assistir a um jogo, for ao banheiro e perder a única coisa interessante de todo a partida.

São outros aspectos dessa filosofia, porém, que permanecem em questão. Uma fonte afirma que o clube não vê a jornada como outra coisa senão uma experiência cosmética, “politicamente e socialmente neutra” que não envolve outra coisa senão o próprio jogo, envolto em marketing. “Isso é literalmente diferente de qualquer outro terreno na Alemanha. É o mais corporativo possível. ”

É o futebol como objeto estéril de consumo e não como experiência vivida.

Claus adiciona uma observação.

— Acho que ninguém está dizendo que o RB Leipzig é o único clube capitalista do futebol alemão. Isso seria ridículo. Mas está trazendo à tona todos os desenvolvimentos políticos e financeiros dos últimos 30 anos.

Eles estão desafiando o que o futebol deveria ser.