EUA

Entenda os processos de Trump sobre as eleições, estado a estado

Para reverter a vitória de Biden, Trump precisaria vencer processos e mudar os resultados em pelo menos três desses estados. Entenda por que isso é improvável


Agência O Globo
Agência O Globo
Do Agência O Globo | Em: 12/11/2020 às 11:29:32

Carri Dusza, uma apoiadora de Donald Trump, segura um cartaz onde se lê
Carri Dusza, uma apoiadora de Donald Trump, segura um cartaz onde se lê "apenas votos legais", em frente a um centro de contagem na Pensilvânia, um dos estados com maior número de processos por parte do presidente (Foto: MARK MAKELA / REUTERS)

Os questionamentos jurídicos do presidente americano Donald Trump aos resultados das eleições de 2020 afetam seis estados-chave, cinco dos quais vencidos por ele em 2016. Desta vez, o democrata Joe Biden teve liderança de cinco dígitos nos votos de todos os seis estados. Em alguns deles, as contagens continuam, incluindo três onde ele lidera por mais de 35 mil votos em cada um.

Para reverter os resultados da votação da semana passada e obter os 270 votos eleitorais necessários para ganhar a Casa Branca, Trump precisaria mudar os resultados e ser declarado vitorioso em pelo menos três desses estados. Ele tenta conseguir isso por meio de uma combinação de ações judiciais e recontagens que ele espera que possam inverter os resultados. Especialistas dizem que esta reversão é improvável em qualquer um dos estados e praticamente algo impossível em vários deles. Abaixo, as ações de Trump nos seis estados:

Pensilvânia (20 votos no Colégio Eleitoral)

Biden foi considerado o vencedor.

Liderança de Biden às 19h de quarta-feira: 50.213, com 98% dos votos apurados

Questionamentos legais: A Pensilvânia, o estado mais valioso entre aqueles decisivos com contagens de votos apertadas, tem sido um foco de concentração de processos que questionam a vitória de Biden. A campanha de Trump pediu a um tribunal federal da Pensilvânia para bloquear a confirmação dos resultados eleitorais do estado, alegando que não teve acesso adequado para observar o processo de contagem de votos em condados com tendência democrata. Trump e os republicanos também pediram à Suprema Corte dos Estados Unidos para invalidar as cédulas enviadas por correio que chegaram até três dias após 3 de novembro, o último dia de votação, tendo sido enviadas antes. A campanha e outros republicanos abriram processos por reivindicações semelhantes em uma série de ações judiciais contra os conselhos eleitorais de condados no estado.

Potencial de recontagem: A liderança de Biden atualmente está acima da margem de 0,5% que acionaria uma recontagem automática.

Prazo para confirmação: Não há um prazo estadual, mas os condados devem certificar seus resultados até 23 de novembro.

Cenário político: O governador Tom Wolf e a secretária de Bem-Estar Kathy Boockvar, ambos democratas, duelaram com líderes legislativos estaduais republicanos sobre as regras que regem a eleição. Alguns senadores republicanos e comentaristas conservadores sugeriram que a Assembleia estadual, controlada pelos republicanos, deveria ignorar a contagem dos votos e enviar uma lista de delegados favoráveis a Trump ao Colégio Eleitoral, mas os líderes estaduais republicanos até agora rejeitaram essa opção.

Resumo: Conseguir anular os votos que chegaram com atraso não seria suficiente para levar a Pensilvânia para Trump. O estado diz que menos de 10 mil votos são desse tipo, e eles não estão incluídos na contagem atual liderada por Biden. Trump precisaria anular um número sem precedentes de votos para mudar o resultado, mas a maioria dos especialistas jurídicos diz que isso é extremamente improvável, dada a falta de evidências de fraude eleitoral nas ações que sua campanha impetrou.

Geórgia (16 votos no Colégio Eleitoral)

Sem vencedor projetado, mas Biden lidera

Vantagem de Biden: 14.093, com 98% dos votos apurados.

Questionamentos legais: Um processo foi aberto no tribunal estadual do condado de Chatham, que inclui a cidade de Savannah, de tendência democrata. Alegava que votos atrasados inválidos supostamente haviam se misturado com cédulas válidas. Foi rejeitado quase imediatamente por falta de provas.

Potencial de recontagem: A Geórgia não tem recontagens automáticas, mas o secretário de Estado, que é republicano, disse que uma será realizada. Mas a maioria dos especialistas afirma que a margem é grande o suficiente para que o resultado não mude. A campanha de Trump colocou o deputado republicano Doug Collins, um aliado próximo do presidente, para supervisionar a recontagem para eles.

Prazo para confirmação: 20 de novembro.

Cenário político: o governador, Brian Kemp, o secretário de Estado, Brad Raffensperger, e os dois senadores federais são republicanos. Mas os senadores candidatos à reeleição, David Perdue e Kelly Loeffler, que enfrentam segundos turnos contra democratas no início de janeiro, pediram que Raffensperger renunciasse devido à contagem de votos contra Trump. Ele recusou.

Resumo: As esperanças de Trump estão na recontagem, mas essas esperanças são muito pequenas.

Michigan (16 votos no Colégio Eleitoral)

Biden foi considerado o vencedor

Liderança de Biden: 148.645 votos, com 98% contados.

Questionamentos legais: O governo Trump disse na terça-feira que abriu um processo federal para bloquear a certificação dos resultados estaduais, alegando fraude eleitoral e falta de acesso de observadores no condado de Wayne, que inclui a cidade de Detroit. Dois observadores republicanos também entraram com um processo alegando fraude eleitoral durante a contagem das urnas em Detroit e pedindo uma ordem bloqueando a certificação dos resultados eleitorais na cidade. A campanha de Trump também abriu um processo, fracassado, para tentar bloquear a contagem de votos, alegando “irregularidades gravemente preocupantes” no centro de processamento de cédulas em Detroit.

Potencial de recontagem: A liderança de Biden está muito além da margem de 2 mil votos para uma recontagem automática em Michigan. A campanha de Trump pode solicitar uma recontagem que ela mesma pague.

Prazo para confirmação: 23 de novembro.

Cenário político: A governadora Gretchen Whitmer e a secretária de Estado Jocelyn Benson são democratas, enquanto a Câmara e o Senado estaduais são controlados por republicanos.

Resumo: Como na Pensilvânia, a campanha de Trump precisaria convencer os tribunais a invalidar um número sem precedentes de votos, o que é muito, muito improvável com base na falta de provas apresentadas até agora. A margem de votos é quase certamente grande demais para ser alterada por uma recontagem.

Arizona (11 votos no Colégio Eleitoral)

Biden foi considerado o vencedor pela Associated Press e a Fox News, mas não por outras grandes redes de televisão ou veículos da imprensa.

Liderança de Biden: 12.813 votos, com 98 contados.

Questionamento legais: A campanha de Trump alegou em um processo que “até milhares” de eleitores no condado de Maricopa, o maior centro populacional do estado, foram privados do direitos de votar porque funcionários eleitorais os instruíram a anular seus votos pressionando um botão verde na máquina de votação que realmente os tornou inválidos. De acordo com a AP, um advogado do condado disse que o número de votos que podem ser afetados por tal anulação provavelmente gira em torno de 200.

Potencial de recontagem: No Arizona, uma recontagem automática é acionada se houver diferença menor do que um décimo de 1% do número de votos para ambos os candidatos, ou uma margem de 200 votos ou menos.

Prazo para confirmação: 30 de novembro.

Cenário político: O governador Doug Ducey é republicano, a secretária de Estado Katie Hobbs é democrata e a Câmara e o Senado estaduais são controlados por republicanos.

Resumo: Cerca de 57 mil cédulas ainda precisam ser contadas. Embora o resultado no Arizona esteja muito apertado, atualmente não há opções aparentes para o presidente alterar a disputa.

Nevada (6 votos no Colégio Eleitoral)

Biden foi considerado o vencedor.

Liderança de Biden: 36.870 votos, com 98% contados.

Questionamentos legais: Uma ação de dois candidatos republicanos ao Congresso, alegando que a eleição no condado de Clark (área fortemente democrata que inclui Las Vegas) foi “manchada por irregularidades”, foi indeferida após os reclamantes não apresentarem provas. A campanha de Trump disse que abriria um processo por mais de 10 mil votos depositados ilegalmente por pessoas que não moram mais no estado, mas não está claro quantos desses votos são realmente ilegais. O Wall Street Journal relatou que muitos dos votos em questão foram na verdade dados por militares dos EUA servindo no exterior ou fora do estado.

Potencial de recontagem: Não há recontagens automáticas em Nevada, embora a campanha de Trump possa solicitar uma.

Prazo para confirmação: 16 de novembro.

Cenário político: o governador Steve Sisolak é democrata e o Legislativo estadual é controlado por democratas, mas a secretária de Estado, Barbara Cegavske, é republicana.

Resumo: Trump perdeu no estado em 2016, mas esperava inverter desta vez. O número de votos que os republicanos dizem que podem contestar é menor do que a margem de vitória de Biden, e é extremamente improvável que uma recontagem altere os resultados.

Wisconsin (10 votos no Colégio Eleitoral)

Biden foi considerado o vencedor.

Liderança de Biden: 20.539 votos, com 98% contados.

Questionamentos legais: Não houve ações judiciais significativas no estado.

Potencial de recontagem: Wisconsin não tem recontagens automáticas, mas permite recontagens solicitadas quando a margem é inferior a 1%, como aqui. A campanha de Trump disse que solicitará uma recontagem, pela qual terá de pagar.

Prazo para confirmação: 1º de dezembro.

Cenário político: o governador Tony Evers é democrata e o Legislativo é controlado por republicanos, mas as eleições são conduzidas por uma comissão eleitoral estadual com uma equipe apartidária.

Resumo: É muito improvável que uma recontagem altere a margem de Biden.