Prova

Enem encerra segundo dia de provas com tranquilidade em Goiânia

Nem todos os estudantes aprovaram a realização do exame em dois domingos de provas. Boa parte dos goianienses afirmaram que as questões de Matemática e Ciências da Natureza corresponderam ao que estudaram


Karla Araujo

Do Mais Goiás | Em: 12/11/2017 às 19:43:28


Estudantes aguardam para entrar na Uni-Anhanguera, em Goiânia (Foto: Amanda Sales/ Do Mais Goiás)
Estudantes aguardam para entrar na Uni-Anhanguera, em Goiânia (Foto: Amanda Sales/ Do Mais Goiás)

A resposta ao novo formato de provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), realizado pela primeira vez em dois domingos consecutivos, foi considerada positiva pelo Instituto Nacional de Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). Em Goiânia, a novidade não foi unanimidade entre os candidatos que fizeram provas hoje e na semana passada.
Enquanto muitos estudantes aprovaram a medida e consideraram que o tempo a mais para estudar foi uma boa oportunidade, teve quem reclamasse da mudança implementada em 2017. Ainda assim, o segundo dia de provas transcorreu sem muitos problemas em Goiás.
Para Milleny Miranda, de 24 anos, foi horrível fazer a prova em dois domingos. Ela, que pretende estudar Farmácia, preferiria ter apenas um fim de semana dedicado ao Enem. Isabella Lorraine, de 17 anos, concordou com Milleny. “Desse jeito, ocupa dois finais de semana. E não adianta (para estudar). Quem não sabe em um dia, também não vai saber uma semana depois.”
Isabella, que almeja estudar Direito, contou ter tido bastante dificuldade na prova de Química, principalmente nas primeiras questões da disciplina. Segundo as amigas Thaís dos Santos, de 19 anos, e Renata Pereira, de 18 anos, Química foi realmente a prova mais difícil. Elas pretendem cursar, respectivamente, Estética e Comunicação Social.
Estefany Evilyn e Thalia Rodrigues, ambas de 18 anos, viajaram de Hidrolândia até Goiânia para fazerem o Enem. Enquanto Estefany, que planeja ser educadora física, considerou bom fazer as provas em dois domingos, Thalia, que deseja entrar na faculdade de Direito, afirmou que a mudança foi péssima. “Eu achava melhor como era antes, porque perdemos dois finais de semana. Antes, era só um”, avaliou ela, que fez o exame pela segunda vez.
Já Estefany, que fez sua estreia no Enem este ano, explicou que é melhor fazer a prova como foi em 2017. “É bem melhor, porque a gente acaba a prova cansado de ficar sentado. E tem gente que mora longe, para quem é difícil o deslocamento até a prova. Os dois domingos facilitam nisso.”
Apesar de alguns estudantes apontarem as provas de Química e Matemática como mais difíceis, muitos candidatos consideraram as questões deste domingo mais fáceis de responder do que as do primeiro dia do Enem. “Para mim, a Redação foi a parte mais difícil. A prova de Matemática estava mais tranquila. Fui melhor na prova desse ano do que na do ano passado. Mas também estudei mais esse ano”, analisou Thalia.
Mesmo considerando difícil responder as perguntas matemáticas, Leandra Gabriely, de 17 anos, também definiu o exame como tranquilo. Ela quer fazer Fisioterapia e acredita que se saiu bem o suficiente para conseguir uma vaga na universidade. A estudante foi uma entre os candidatos que esperaram até 17h30 para sair da sala com o caderno de provas em mãos. “É para corrigir com o gabarito em casa”, explicou.
Treineira, Ester Marques, de 18 anos, avaliou que o exame esteve de acordo com o que ela havia estudado. O objetivo, futuramente, é estudar Biomedicina.
 
Enem em Goiás
 
Cerca de 219 mil candidatos se inscreveram par fazer o exame em alguma cidade goiana. No primeiro dia de provas, aproximadamente 68 mil faltaram. Neste domingo, segundo o Inep, houve 33% de abstenções. .
Os dois dias de exame envolveram poucas ocorrências fora do programado para a realização. Hoje, nenhuma situação foi registrada pelo instituto. No primeiro domingo, um candidato saiu correndo do local de prova e levou o caderno de questões e a folha de preenchimento de respostas consigo, em Senador Canedo. O candidato foi eliminado e o fato não foi considerado como vazamento de prova. Além disso, uma turma em Uruaçu não concluiu o teste por causa da falta de energia. Os mais de 2 mil candidatos farão nova prova nas mesmas datas em que pessoas privadas de liberdade, 12 e 13 de dezembro.
O gabarito oficial de todas as questões dos dois dias de prova será divulgado pelo Inep até o dia 16 de novembro. O resultado oficial está previsto para 19 de janeiro de 2018.