Cirse Energética

Enel assina compromisso para melhorar distribuição de energia em Goiás

Termo assinado com o Governo de Goiás prevê aumento de 26% da capacidade da rede de distribuição de energia elétrica no estado, que é uma das piores do Brasil

Política

Da Redação
Do Mais Goiás | Em: 27/08/2019 às 09:51:33

Governo de Goiás assina acordo com Enel para aumento de investimento no setor de energia (Foto: Divulgação)
Governo de Goiás assina acordo com Enel para aumento de investimento no setor de energia (Foto: Divulgação)

A Enel assinou, na noite de segunda-feira (26), acordo com o Governo de Goiás para antecipar investimentos e aumentar 26% da capacidade de distribuição de energia nos próximos três anos. A empresa se comprometeu a melhorar as perdas na distribuição da rede atual e também a aumentar o número de conexões rurais. A Enel assumiu a distribuição de energia no Estado em 2016, quando comprou em leilão de privatização a Celg D.

O termo de compromisso aconteceu depois da insistência do Governo, que apontou a falta de investimento no setor como empecilho no desenvolvimento de Goiás. As falhas no fornecimento de energia elétrica trouxeram queixas generalizadas entre empresários, pequenos produtores, comerciantes e da comunidade de forma geral. Desde 2012, a distribuição de energia em Goiás é considerada uma das piores do Brasil, na maioria das vezes ocupando a última colocação no ranking da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).

O governador Ronaldo Caiado (DEM) ressaltou que algumas empresas precisam investir na compra de geradores para se instalares em Goiás devido aos problemas de distribuição. Caiado citou que produtores de leite, principalmente os pequenos e médios, estão perdendo a produção porque não têm recurso para investir na compra dos equipamentos para garantir a armazenagem correta em caso de interrupção da energia.

A assinatura do acordo foi acompanhada pelo ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque; do presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia; o vice-governador Lincoln Tejota; de representantes da Aneel, secretários de Estado, além de deputados estaduais e federais.

As medidas traçadas, até o início de fevereiro do ano que vem, representarão aumento em 486 megawatts (MVA) na capacidade de distribuição de energia. “Goiás agora tem a expectativa real de poder atender à demanda reprimida de energia elétrica e avançar”, disse o governador.

“Estamos confiantes de que tudo que foi assinado será implantado dentro dos prazos e investimentos necessários. Para vocês terem uma ideia, este termo vai, de imediato, gerar uma demanda de aproximadamente 1,5 mil eletricistas. E só estou citando um dos elementos que serão necessários para ampliar a oferta de energia em nosso Estado”, frisou.

Nicola Cotugno, presidente da Enel Brasil, afirmou que a antiga Celg D viveu por anos com um subinvestimento que deixou a empresa sucateada. Ele ressaltou que é interesse da corporação solucionar em curto prazo parte dos problemas. Para isso, a Enel irá investir em equipamentos, novas modernidades e subestações para o fornecimento de energia para novos clientes, comércios e indústrias.

Rodrigo Maia, presidente da Câmara dos Deputados, destacou que algumas empresas foram até ele colocar sua preocupação em relação ao abastecimento de energia em Goiás. “Goiás só vai prosperar se tiver energia, porque é um estado industrial e com um agronegócio importante. Fico feliz por esse acordo assinado. Goiás vai dar exemplo e ao final de quatro anos vamos gerar muitos empregos”, enfatizou.

Medidas

Uma das principais ações da Enel, de curto prazo, para possibilitar a liberação de carga de Norte a Sul do Estado, é a compensação de reativos na rede da distribuidora, o que possibilitará novas ligações de energia sem a troca de transformadores. Segundo a empresa, até 2022, serão acrescentados cerca de 1.500 MVA ao sistema elétrico, o suficiente, por exemplo, para abastecer as cidades de Goiânia, Anápolis, Rio Verde e todos os 28 municípios da Região Metropolitana.

O plano também prevê obras, dentre as elas a construção de 17 novas subestações, que irão atender 27 municípios, entre Goiânia, Aparecida de Goiânia, Anápolis, Mineiros, Rio Verde, Niquelândia, Luziânia, Senador Canedo e Iporá. Cerca de 835 mil clientes dessas regiões serão beneficiados com a maior confiabilidade do serviço de distribuição. Também está prevista a ampliação e reforma de outras 130 subestações.

Também está prevista a aceleração das conexões dos clientes rurais. Para os próximos anos, a empresa prevê um aumento expressivo. Atualmente, são 21.300 conexões pendentes, valor que deve ser reduzido para 15.600 em 2020 e para 6 mil em 2021. “Vamos avançar nas regiões mais carentes, atendendo assentamentos e produtores de pequena renda, e com isso levar aquilo que é fundamental em um processo de desenvolvimento, que é a energia elétrica”, comentou.

Pequenas Usinas Hidroelétricas

O governador também ressaltou que outro procedimento que será adotado no Estado, a exemplo do que está ocorrendo no Mato Grosso do Sul: um trabalho conjunto entre o Ministério de Minas e Energia, Secretaria do Meio Ambiente e o Governo de Goiás que irá simplificar a liberação de licenças ambientais para o funcionamento de PCH’s, que são as Pequenas Usinas Hidrelétricas.