Massa falida

Encol: ex-funcionários não receberão indenizações corrigidas pelo INPC

Mudança no parâmetro altera a correção de 256,04% para 41,87%


Da Redação
Do Mais Goiás | Em: 09/10/2019 às 19:57:49

(Foto: Reprodução)
(Foto: Reprodução)

Os ex-funcionários da Encol, empresa goiana que fechou as portas em 1999, receberão seus direitos com correção pela Taxa Referencial (TR), e não pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC). A informação foi repassada ao Mais Goiás pelo síndico da Massa Falida da empresa, Miguel Cançado, e vai contra a informação publicada nesta terça-feira pelo Tribunal de Justiça (TJ-GO).

O cálculo das correções dos direitos trabalhistas foi um dos motivos pelos quais o processo se arrasta na Justiça. A mudança no parâmetro altera a correção de 256,04% no INPC (como pleiteavam os ex-funcionários), para 41,87% na TR.

Ainda de acordo com o síndico, de junho até setembro deste ano, foram pagos cerca de R$ 12,8 milhões a 578 credores trabalhistas.

Histórico da Encol

Considerada durante a década de 1990 como a maior construtora da América Latina, a Encol deixou mais de 5 mil credores trabalhistas. Durante o curso do processo de falência (de 1999 até 2012), a massa falida pagou cerca de 7 mil trabalhadores. Mas o fez de forma incompleta, cortando os créditos, pagando apenas 40% dos valores. E alegou que os recursos a serem arrecadados não seriam suficientes para a satisfação integral dos trabalhadores.