Do Mais Goiás

Empresários de Goiânia pedem desconto de ICMS e ISS durante a quarentena

Redução de alíquota de impostos é uma das medidas solicitadas para proteger setor empresarial no período de crise

Goiânia avalia 82 pedidos para reabertura de segmentos na pandemia
Goiânia avalia 82 pedidos para reabertura de segmentos na pandemia

O receio dos impactos econômicos que a pandemia do novo coronavírus pode trazer à economia levou a Câmara de Dirigentes Lojistas de Goiânia (CDL) a produzir um documento com uma série de solicitações para proteger o setor empresarial. O documento é uma resposta às medidas tomadas pelo governo do estado e pela prefeitura de Goiânia para diminuir a aglomeração de pessoas.

Durante a quarentena, o governo do estado determinou a suspensão de atividades em feiras, shoppings, galerias e polos comerciais de rua. Além disso, foram atingidas também atividades em bares e restaurantes (exceto serviço de entrega), cinemas, clubes, academias, boates, teatros, casas de espetáculos e clínicas de estética. A suspensão vale por 15 dias, a partir desta quinta-feira (19).

Medidas

Entre as medidas solicitadas está a redução da alíquota da base de cálculo do ICMS e do ISS. Eles também pedem a renegociação de débitos tributários, suspendendo a exigibilidade de tributos estaduais e municipais e prorrogando do vencimento no recolhimento dos tributos.

A CDL solicitou ainda a liberação de linhas de crédito com custo e taxas reduzidos, parcelamento de débitos de água, esgoto, energia, gás e telefonia. Outro ponto levantado pela Câmara é uma atuação educativa e preventiva do Procon para prevenir a aplicação de multas aos estabelecimentos.

Além disso, os lojistas desejam firma um acordo com o Ministério Público do Trabalho e com sindicatos com o objetivo de flexibilizar e regularizar questões como férias coletivas, teletrabalho, escalonamento do horário do comércio, revezamento de equipes de empregados e suspensão de atividades empresariais afetadas.

O documento foi encaminhado Federação das Câmaras de Dirigentes Lojistas de Goiás (FCDL) e devem ser tratados pelo Fórum de Entidades Empresariais do Estado de Goiás (FEE). O presidente da CDL Goiânia, Geovar Pereira, afirmou que o setor empresarial está engajada no combate à pandemia e que a entidade está preocupada com as medidas que estão sendo tomadas em relação aos casos suspeitos e confirmados no Estado.

“Não adianta apenas fechar estabelecimentos, precisamos de medidas para barrar o avanço da contaminação”, disse Geovar. “A exemplo de outros países, criar um sistema de controle e isolamento de casos suspeitos, controle e monitoramento de pessoas recém-chegadas de outros países e/ou regiões com focos da contaminação”.