Do Mais Goiás

Empresa avança sobre Área de Proteção Ambiental em Aparecida

Local é considerado por ambientalistas e pela UFG como essencial para manutenção de escoamento e captação de água

Aterramento em vereda de Aparecida de Goiânia (Foto: Jucimar Sousa/ Mais Goiás)

As obras de fundação de uma indústria ligada ao ramo de refrigerantes avança sobre uma Área de Proteção Ambiental, na região do Anel Viário, em Aparecida de Goiânia. O local é considerado por ambientalistas e pela Universidade Federal de Goiás (UFG) como essencial para manutenção de escoamento e captação de água no município, além de importante para refúgio de fauna, como papagaios e araras.

As obras, de aterramento, realizadas pela empresa para composição do Pólo Industrial, ficam nas proximidades do Anel Viário, entre a Avenida Nacional e Av. V008, próximo ao Córrego Santo Antônio. O Mais Goiás registrou que máquinas trabalham no local. Com presença de entulhos, registro de aterramento patrolado, com compactação de terrra, nas proximidades da área úmida da vereda.

O local é apontado por laudo elaborado pela UFG e assinado pelos geógrafos Lucas Espíndola Rosa e Elizon Dias Nunes como de grande relevância paisagística, assim como importante para drenagem urbana do município. A região é próxima a um dos principais córregos do município, o Santo Antônio, por isso, os estudiosos avaliam que possui relevância ecológica, geomorfológica e hídrica, com presença de vereda.

Aterramento em vereda de Aparecida de Goiânia (Foto: Jucimar Sousa/ Mais Goiás)

Máquinas trabalham no local (Foto: Jucimar Sousa/ Mais Goiás)

Pólo industrial de Aparecida de Goiânia (Foto: Jucimar Sousa/ Mais Goiás)

Água

A gestora de projetos socioambientais e ambientalista, Patrícia Sahium, questiona o licencimento da obra realizada no local e aponta que a necessidade deste tipo de licenciamento por se tratar de uma área de proteção permanente, por se tratar de um crime ambiental. Além disso, há indícios de que a empresa estaria fazendo aterramento de uma vereda de buritis, considerado um berço de águas.

“O que acontece é no mínimo um crime ambiental. Assoreamento e erosão, que já existem naquela área, podem piorar. Com o aterramento, não haverá recurso hídrico. Então para Aparecida de Goiânia é uma perda ambiental sem tamanho. Estamos falando de crise hídrica no mundo. Já vivenciamos, na época da seca, problema de abastecimento de água”, avalia.

Patrícia Sahium cobra que o papel do poder público seria a recuperação do local, com plantio de mudas do Cerrado para que a água voltasse a infiltrar no solo. A ambientalista aponta que, caso persista o aterramento, a perda hídrica pode ser imensa, prejudicando inclusive a população. “Teremos um impacto sócioambiental. Não é somente a fauna que ficará prejudicada, sem acesso a água. É um crime que gera consequências futuras. De onde Aparecida vai tirar água futuramente se começar a liberar este tipo de obra”, indaga.

Laudo

O laudo foi realizado no segundo semestre de 2020, quando já havia início de intervenções no local. Na ocasião, os pesquisadores da UFG notaram mudanças no eixo do canal do curso de água, com impermeabilização de solo. Eles registraram erosão em direção a vererda. O avanço da erosão foi registrada a partir da comparação de imagens aéreas de 2012 e 2020. O laudo recomenda, então, reabilitação da área.

“As veredas são ambientes naturalmente raros, com maior raridade em áreas metropolitanas. A observação do ponto, bem como o registro fotográfico é patente a ocorrência do sensível impacto ambiental ocasionado pelo aterro, que apresenta  cerca de 3 metros de altura, inclusive aterrando a vegetação palmácea desenvolvida”, diz o documento. “Destaca-se por fim, que esta área apresenta como refúgio de avifauna, em que foram registradas araras-canindé, diferentes papagaios, o que demonstra a importância ecológica”, conclui.

Resposta

A prefeitura de Aparecida de Goiânia diz que a propriedade privada possui duas nascentes com característica de Área de Proteção Permanente (APP). A execução de aterramento em propriedade particular ficou paralisada para avaliação técnica, bem como autorização do órgão regulador e cumpre, dentro da legalidade, o limite de 30 metros de distanciamento das nascentes, que estão sendo preservadas.

A Secretaria de Infraestrutura de Aparecida explica que a abertura da uma faixa de servidão entre a Rua Nacional e o Anel Viário consta no projeto viário do bairro e está sendo executada com a expectativa de proporcionar o acesso facilitado aos moradores da região.