Polêmica

Em retorno ao PSG, Neymar é recebido com protestos da torcida

As vaias começaram antes mesmo do início da partida, quando o nome de Neymar foi anunciado como titular


FolhaPress
FolhaPress
Do FolhaPress | Em: 14/09/2019 às 14:29:53

Neymar voltou a jogar no Paris Saint-German e foi recebido com vaias, palavrões e faixas de protesto da torcida (Foto: Reprodução)
Neymar voltou a jogar no Paris Saint-German e foi recebido com vaias, palavrões e faixas de protesto da torcida (Foto: Reprodução)

Fora das partidas do Paris Saint-Germain (PSG) desde o início do Campeonato Francês 2019-2020, em agosto, Neymar voltou a campo neste sábado (14) contra o Strasbourg – e foi recebido com vaias, palavrões e faixas de protesto da torcida.

As vaias começaram antes mesmo do início da partida, quando o nome de Neymar foi anunciado como titular, e se repetiram durante todo o primeiro tempo de jogo, sempre que o camisa 10 pegava na bola.

A primeira etapa da partida terminou em 0 a 0, sem grandes lances do jogador brasileiro. Além das vaias, a torcida carregava faixas que criticavam as tentativas de Neymar de deixar o clube francês e voltar para o Barcelona.

No mês passado, ele tentou, sem sucesso, forçar os franceses a aceitarem a sua saída. Afirmou aos dirigentes do clube que não queria cumprir o contrato. Segundo o jornal L’Equipe, o brasileiro chegou a propor pagar 20 milhões de euros (R$ 90,9 milhões) do seu próprio bolso para retornar à equipe catalã.

Como informa o Le Monde, o Barcelona ofereceu por Neymar cerca de 140 milhões de euros (R$ 636 milhões) mais a transferência do jogador croata Ivan Rakitic e o empréstimo por um ano do francês Ousmane Dembélé, que se recusou a deixar o clube catalão. O PSG declinou.

Durante o período de negociações, Neymar treinou, mas não atuou no PSG, que fez quatro partidas na temporada.
A janela de transferências, período para clubes da Europa contratarem jogadores, acabou no último dia 2 e o brasileiro terá de permanecer na liga francesa pelo menos até janeiro de 2020.

O jogador da seleção, que tem contrato até 2022 com o PSG, custou 222 milhões de euros aos franceses em 2017 (mais de R$ 1 bilhão).