Do Mais Goiás

Em menos de 1 ano, SUS gasta R$ 3 bilhões com internações para tratar covid

Em média, somando internações em enfermarias e UTIs, o SUS gastou R$ 4.916,14 por tratamento de paciente

Em menos de 1 ano, SUS gasta R$ 3 bilhões com internações para tratar covid
Imagem: Mateus Pereira/Governo da Bahia

As internações de pacientes com covid-19 custaram aos cofres do SUS (Sistema Único de Saúde) ao menos 2,99 bilhões desde o início da pandemia até fevereiro deste ano. Os dados são do Sistema de Informações Hospitalares do Ministério da Saúde. Segundo o portal UOL, que consultou os valores gastos pelo ministério, essa quantia não inclui investimentos de estados, municípios e entidades filantrópicas, por exemplo.

De acordo com Bernadete Perez, sanitarista e vice-presidente da Abrasco (Associação Brasileira de Saúde Coletiva), vale citar que esse custo não se mede só pelo período de internação. “Boa parte dessas pessoas, após a alta de UTI [Unidade de Terapia Intensiva], vai precisar de cuidado continuado, assistência e previdência social para suporte em diversas situações”, diz.

Números

Do final de abril de 2020 a fevereiro deste ano, o sistema de Informações Hospitalares do Ministério da Saúde contabilizou 609.501 pacientes tratados no SUS, com 129.890 mortes. Vale ressaltar que o sistema não permite separação de dados por pacientes em UTI e em enfermaria.

Em 2020, foram 470.529 internações por causa do vírus. Este ano, até fevereiro, foram 138.972. Segundo o UOL, não há ainda dados disponíveis de março e abril.

Em média, somando internações em enfermarias e UTIs, o SUS gastou R$ 4.916,14 por tratamento de paciente. Bernadete Perez diz que “o gasto financeiro com a hospitalização pela covid é muito alto, mas ainda é aquém da necessidade brasileira —vide as filas de espera nas UPAs [Unidades de Pronto Atendimento]”.

De acordo com a publicação do UOL, o governo federal repassa aos estados R$ 1.600 por diária de leito de UTI para pacientes com covid-19, o dobro do valor que era pago aos pacientes internados antes da pandemia ter início.

Contudo, no começo de 2021, o governo federal reduziu em mais de 80% o número de leitos financiados em fevereiro, comparando com o final de 2020. Estados precisaram ir ao STF (Supremo Tribunal Federal) para garantir a volta do valor repassado para os leitos.

“Aqui a gente pagava, no ano passado, R$ 2 mil por diária a um hospital contratualizado. Com essa nova onda neste ano, ampliamos esse valor para R$ 2.400”, diz André Longo, secretário de Saúde de Pernambuco.

Bernadete Perez afirma que, para a covid-19, vale a máxima de que prevenir sairia mais barato que remediar. “Se ações de distanciamento social tivessem sido tomadas no momento certo, os gastos com internações –e consequentemente o número de mortes– seriam bem menores”, diz a sanitarista.

Senado aprova PL que obriga motorista bêbado a ressarcir o SUS; LEIA

*Com informações do UOL