BALANÇO MENSAL

Em Goiás, crescimento de casos e óbitos por coronavírus é menor em agosto

Percentual de crescimento foi menor do que em julho no estado, nas três maiores cidades, em Rio Verde e no Entorno de Brasília


Artur Dias
Do Mais Goiás | Em: 01/09/2020 às 15:29:20


O número de óbitos por coronavírus cresceu 83% durante o mês de agosto em Goiás, de acordo com os dados divulgados pela Secretaria de Estado da Saúde (SES)*. O acumulado agora é de 3.094, contra 1.691 do primeiro dia do mês.  No total, foram 1.403 mortes registradas no período, o que representa 45,3% de todos os registros desde o início da pandemia.

Já o número de casos saiu de 69.679 para 132.700, um aumento de 90,4%. Foram confirmados 63.021 novos casos da doença no mês. Isso significa que 47,5% das confirmações da doença aconteceram em julho.

Os dados mostram que o número de casos cresceu numa velocidade mais baixa em agosto, comparando com o mês de julho, quando o número de casos cresceu 165,2% e o número de mortes 217,9%. O percentual diminuiu também nas maiores cidades do estado, em Rio Verde e no entorno de Brasília.

Apesar disso, a média de casos e óbitos por dia continua subindo. Os dados mostram que morreram, em média 45,3 pessoas por dia por causa da Covid-19 em todo o estado. Além disso, foram registrados 2.032,9 casos diários da doença.

Proporcionalmente, o período em que foram registrados mais casos da doença foi entre os dias 30 de julho e 6 de agosto. Na semana em questão, as confirmações aumentaram 21,7%, saindo de 66.059 para 80.415. Neste período também foi registrado o maior crescimento do número de óbitos. Na época, as mortes saíram de 1.606 para 1.924, o que representa um aumento de 19,8%.

Coronavírus nas principais cidades

Entre as três maiores cidades do estado, a que apresentou maior aumento proporcional foi Anápolis. Lá, o número de casos chegou a 5.527 um crescimento de 114,8% no mês. Este percentual é menor do que o aferido em julho (164,1%). O número de óbitos no município em dia 31 de julho foi de 164, o que representa um crescimento de 92,9%.

A capital registrou um crescimento de 89,8% no número de casos. Em junho, o aumento foi de 140,2%. Já o número de óbitos saltou de 487 para 908 ao longo do período. Isso representa um aumento de 86,4%. Goiânia continua a ser o epicentro da Covid-19 no Estado, concentrando 24,8% dos casos confirmados.

Em Aparecida de Goiânia, o número de casos saiu de 10.543 para 18.925, o que representa um crescimento de 79,5%. O percentual também é menor do que o registrado no mês de julho (253,3%). Já o número de óbitos na cidade saiu de 184 para 345, o que representa um aumento de 87,5%.

Rio Verde

O município de Rio Verde, no Sudoeste do Estado, continua terceira posição em número de casos no estado, perdendo para Goiânia e Aparecida de Goiânia. Na cidade foram confirmados 2.486 casos em agosto, o que representa um aumento de 38,6%. Foram registrados 42 óbitos no período, um crescimento de 31,1%.

Coronavírus no entorno do DF

Na região do entorno de Brasília foram registrados 8.725 casos no dia 31 de julho. Houve um aumento de 87,9% no mês. Assim como no estado, o crescimento foi menor do que o registrado em julho (123,4%). Além disso, 201 pessoas morreram por causa da doença ao longo do mês, contra 175 em julho. O aumento foi de 68,6%.

Dois dos 19 municípios da microrregião ultrapassaram os 3 mil casos confirmados em agosto: Valparaíso de Goiás (3.447) e Luziânia (3.204). Além disso, outras duas cidades ultrapassaram os 2 mil casos: Águas Lindas de Goiás (2.783) e Cidade Ocidental (2.147). Águas Lindas de Goiás também possui o maior número de mortes por coronavírus. Lá o número de óbitos saiu de 63 para 96 no mês de agosto.

Isolamento social diminui

O índice de isolamento social diminuiu no mês de agosto, comparando com o mês de julho. O percentual registrado pela empresa de georreferenciamento In Loco no dia 1º foi de 38,2%, contra 35,1% no dia 31. Em média o índice em Goiás foi de 36,7% contra 38,3% do mês passado. O estado continua a ter o segundo pior isolamento do país, perdendo apenas para o Tocantins (34,1%).

Ao longo do mês, os maiores índices de isolamento social foram registrados nos domingos. O percentual mais alto foi em 2 de agosto (45,2%) e a média neste dia da semana é de 44%. Os piores resultados aconteceram às sextas-feiras. O índice mais baixo foi registrado no dia 7 (32,7%) e a média neste dia da semana é de 33,6%.