Sarampo

Em Goiânia, 70% dos postos de vacinação já não têm vacinas contra sarampo

Segundo a SMS, a prefeitura aguarda o envio das doses do Ministério da Saúde à SES-GO para que, então, as unidades de saúde municipais recebam as novas vacinas


Thaynara Cunha
Do Mais Goiás | Em: 11/09/2019 às 12:32:27

Doses de vacina contra sarampo já não são encontradas na maioria das unidades de saúde municipais (Foto: Reprodução)
Doses de vacina contra sarampo já não são encontradas na maioria das unidades de saúde municipais (Foto: Reprodução)

Cerca de 70% dos postos de vacinação de Goiânianão têm doses de vacina contra o sarampo (Tríplice Viral). De acordo a diretora de vigilância epidemiológica da Secretaria Municipal de Saúde (SMS), Divânia Dias, a pasta aguarda a chegada de novas doses, mas não há previsão de novo lote de vacinas. A procura por doses de sarampo se deu após surto da doença no Estado de São Paulo e a confirmação de três casos em Goiás, sendo dois deles em Goiânia. O município estava há mais de 20 anos sem a circulação do vírus.

Em entrevista concedida ao Mais Goiás, Divânia disse que a ausência de vacinas é resultado de uma campanha imunização satisfatória. No mês de agosto deste ano, o município de Goiânia conseguiu imunizar 120% do público-alvo da campanha: crianças com um ano de idade. A diretora acredita que o percentual ultrapassou os 100% de cobertura por ter vacinado não apenas crianças da capital, mas também moradoras de cidades circunvizinhas e do interior que vieram buscando as doses. “Para contribuir com a campanha de vacinação e atingir a cobertura vacinal, nossos colaboradores não se atém ao local de residência da criança que busca a dose. Dessa forma não fazemos acepção e conseguimos imunizar as crianças”, explica.

A diretora explica que não é apenas são apenas as doses contra o sarampo que estão em falta. Os postos também estão desabastecidos de vacinas como Tetra Viral, Pentavalente e DTP. “Nós temos que aguardar o Estado adquirir um novo lote de vacinas junto ao Ministério da Saúde (MS) e repassar a nós”, salienta.

Segundo o Ministério da Saúde, a vacinação contra o Sarampo é preventiva e deve alcançar 1,4 milhão de crianças, que não receberam a dose extra, chamada de dose zero, (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Segundo o Ministério da Saúde, a vacinação contra o Sarampo é preventiva e deve alcançar 1,4 milhão de crianças, que não receberam a dose extra, chamada de dose zero, (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Em nota, a Secretaria de Estado da Saúde de Goiás (SES-GO) informou que o responsável por distribuir as vacinas para todos os Estados do país é o MS. A SES-GO abasteceu todos os municípios e, agora, aguarda a resposta do Ministérios sobre a possibilidade da chegada de um novo lote de vacinas. Mas até agora não obteve resposta. (Leia nota na íntegra no final da matéria)

Segundo dados do Informe Sarampo, Goiás tem 64 casos suspeitos de sarampo em 22 municípios, três já foram confirmados, 34 casos foram descartados e outros 27 estão em investigação. Os casos de sarampo registrados no estado goiano estão relacionados com o surto instalado em São Paulo, considerando que dois dos indivíduos realizaram viagem para aquele Estado em julho deste ano.

Quem deve tomar a vacina?

A diretora também esclareceu sobre quem deve receber as doses da vacina contra o sarampo. Segundo Divânia, a dose apenas deve ser ministrada àqueles que nunca receberam a vacina. Já estão imunizadas contra a doença, a pessoa com idade entre um e 29 anos que possui o registro de duas doses da vacina no cartão de vacinação. O público com idade entre 30 e 49 anos com registro de uma dose no cartão de vacinação também já está imunizado.

“As pessoas que já tomaram a vacina quando criança não precisam ser vacinadas novamente. Quem precisa se imunizar são as pessoas que ainda não receberam a dose. Assim, todos ficam imunes ao vírus”, conclui.

Até às 18h de terça-feira (10), as vacinas ainda podiam ser encontradas nas seguintes unidades de saúde: CIAMS Novo Horizonte; CS Vila Boa; CS Vila União; CSF Garavelo; CSF Real Conquista; CSF Andreia Cristina; CSF Jd Caravelas; CSF Residencial Itaipú; Cais Bairro Goiá; CS Pq Industrial João Braz; CSF Goiânia Viva; CSF Pq dos Buritis; CSF Vera Cruz II; CSF Jd Cerrado VI; CSF Pq Eldorado Oeste; CS Perim; CS Vila Clemente; Cais Amendoeiras; CSF Aruanã III; CSF Dom Fernando II; CSF Ville de France; Cais Finsocial; CSF Primavera; CSF Curitiba I; CSF Jd Novo Planalto; Cais Campinas; CS Norte Ferroviário; CS Cidade Jardim; CS Vila Santa Helena; CSF Crimeia Oeste; CSF Leste Universitário; e CS Criméia Leste.

Nota enviada pela SES-GO:

“No Brasil, a responsabilidade do Programa Nacional de Imunizações, que trata da vacinação dos cidadãos, é compartilhada entre o Governo Federal (por meio do Ministério da Saúde), os Estados e os Municípios, por meio das respectivas Secretarias de Saúde. O responsável pela produção ou compra e distribuição das vacinas utilizadas no Programa Nacional de Imunizações para todos os Estados do País é o Ministério da Saúde.

Os Estados, ao receberem as doses do Ministério da Saúde, se encarregam de distribuir proporcionalmente as vacinas pelos municípios. Por fim, as prefeituras se encarregam de vacinar a população nos postos de saúde. O objetivo é uma atuação conjunta para que a população fique protegida contra doenças.

Em relação à vacina contra sarampo, a Secretaria de Estado da Saúde de Goiás (SES-GO) esclarece que abasteceu todos os 246 municípios de acordo com a necessidade de cada local e que aguarda o envio de novas doses pelo Ministério da Saúde, que ainda não sinalizou uma data para futuras distribuições, que também serão realizadas de acordo com a demanda e população de cada cidade goiana”.

*Thaynara Cunha é integrante do programa de estágio do convênio entre Ciee e Mais Goiás, sob orientação de Hugo Oliveira