Sessão extraordinária

Em dia de protestos, Câmara de Caldas Novas vota por revogação da área azul

Manifestantes foram à Casa de Leis com roupa de presidiário e criticaram cobrança de estacionamento no centro da cidade


Francisco Costa
Do Mais Goiás | Em: 01/10/2019 às 16:01:34

(Foto: Mais Goiás)
(Foto: Mais Goiás)

A Câmara Municipal de Caldas Novas realiza sessão extraordinária nessa terça-feira (1º), às 14h, para votar matéria do vereador Rafael Moraes (PTB) para revogar a área azul na cidade. Hoje, inclusive, durante plenária na Casa de Leis houve manifestação contra este projeto de cobrança de estacionamento no centro da cidade e, também, contra o prefeito Evandro Magal (PP).

Destaca-se que as discussões tiverem início após a prefeitura da cidade abrir licitação para escolher uma empresa para explorar este serviço. Conforme revelado pelo vereador Rafael, a vencedora irá destinar cerca de 18% da arrecadação ao município, sendo que outras desclassificadas ofereceram entre 30% e 40%.

“Além disso, a área azul vai funcionar das 8h às 20h, inclusive sábados, domingos e feriados. Nem na missa as poderão ir e deixar o carro estacionado por mais de duas horas, pois serão multados ou precisarão trocar o carro de lugar”, avaliou o legislador ao citar, ainda, que será a área azul “mais cara do Brasil: R$ 5 para duas hora, de carro, e R$ 2 por hora de moto”. Ele também apontou que, conforme investigação realizada pelo presidente estadual do PL, Flávio Canedo, há problemas com a licitação.

Segundo o parlamentar, a empresa que venceu o certame possui o mesmo administrador da que ficou em segundo lugar. “O que caracteriza fraude em licitação, a famosa cobertura.”

Manifestação

Acerca da manifestação realizada nessa terça, um grupo de estudantes realizou um protesto na Casa contra a área azul no município. Durante certo momento, um jovem foi até a frente do plenário com um placa com os dizeres “Magal 171” e vestido com roupas listradas, como se fosse um presidiário.

O Mais Goiás entrou em contato a prefeitura de Caldas Novas, que informou que todo processo licitatório foi aprovado pelo Tribunal de Contas do Município (TCM) e do Ministério Público de Contas. A administração municipal justificou o certame via imagens em seu Facebook.