Em Aparecida de Goiânia, 165 mil domicílios foram inspecionados em ações de combate ao Aedes aegypti no mês de abril

Cerca de 90% dos focos do mosquito estão dentro das casas. No mesmo mês 197.761 mil pneus descartados de forma indevida foram recolhidos

A Secretaria Municipal de Saúde (SMS) realizou 165.336 visitas domiciliares durante as ações de combate ao Aedes aegypti, em Aparecida, só no mês de abril. As inspeções dos agentes de endemias aconteceram em 53 bairros do município. A informação é da Coordenação de Vigilância em Saúde, divulgada nesta quarta-feira (9). O balanço também registra que em 2016, a SMS realizou três coletas de pneus descartados de forma indevida na cidade, totalizando 197.761 mil pneus recolhidos.

As visitas domiciliares, além de fiscalizar os imóveis, têm por objetivo conscientizar e orientar a comunidade sobre a importância da prevenção e das ações que possam evitar a proliferação do mosquito Aedes. “Cerca de 90% dos focos estão dentro das casas das pessoas, por isso é muito importante que cada um tire um tempo do seu dia, e verifique em suas casas se não há algum objeto que possa se transformar em criadouro do mosquito”, destaca o coordenador de Vigilância em Saúde, Iron Pereira.

O secretário de Saúde Edgar Tolini ressalta também que o trabalho educativo é uma das principais formas de combate ao Aedes. “O trabalho de conscientização é essencial não só com a população, mas também em conjunto com as escolas e com as unidades básicas de saúde. É importante que todos da comunidade estejam engajados. O tratamento do doente é importante, mas o essencial é o combate ao vetor, para que ninguém adoeça”, frisa Tolini.

Outra boa notícia, é que até a 17ª semana desse ano, houve uma redução de 54% no número de casos de dengue notificados, em relação ao mesmo período do ano passado. Em 2016 foram notificados 8.150 casos, este ano o número caiu para 3.674 casos. De acordo com o coordenador de Vigilância em Saúde, apesar da redução do número de casos, a população de Aparecida de Goiânia deve continuar atenta quanto a objetos que possam acumular água no quintal de suas casas e que sirvam de criadouro do mosquito transmissor da dengue, chikungunya e zika.

“Com os moradores procurando economizar água, os tambores, baldes e tanques usados como reservatório foram os locais onde os agentes de endemias mais têm encontrado focos e larvas do mosquito em Aparecida. Em segundo lugar estão os lixos domésticos, como recipientes plásticos como garrafas e latas, em terceiro, os pneus jogados de forma irregular em lotes baldios”, destaca Iron.

Além de pedir que os aparecidenses continuem cuidando de seus quintais, a SMS realiza ações de combate ao vetor durante todo o ano, evitando assim maior proliferação do mosquito. Além de ações de recolhimento de pneus, os bairros que possuem maior número de incidência recebem as equipes dos mutirões de limpeza, manejo ambiental, visitas domiciliares e também palestras nas escolas.