Ton Paulo
Do Mais Goiás

Em 1º dia de cadastro, Renda Família tem menos de 500 inscrições

Estimativa da prefeitura é que o benefício, no valor de R$ 300, beneficie 24 mil famílias que vivem na capital

Foto: Divulgação

O Renda Família, programa social lançado pela Prefeitura de Goiânia para amparar famílias em situação de vulnerabilidade na pandemia, teve 438 inscrições até às 18h desta segunda-feira (22), primeiro dia do cadastro. A estimativa da administração municipal é que o benefício de R$ 300 beneficie 24 mil famílias que vivem na capital.

Ao Mais Goiás, o titular da Secretaria de Finanças, Alessandro Melo, afirmou que os dados fornecidos pelos inscritos passarão pela mesma análise usada pela pasta na fiscalização tributária de contribuintes. O prazo para análise vai depender da clareza dos dados entregues à prefeitura.

“Dependendo do que a pessoa colocar no cadastro, a pessoa vai cair numa espécie de malha e aí a gente vai ter que fazer umas apurações mais aprofundadas. Se o cadastro vier num formato que passa direto pelo sistema, já vai cair no automático e a pessoa já vai receber o cartão”, afirmou Melo, que estimou um prazo de 10 a 15 dias para o envio do cartão do Renda Família.

O prazo para cadastro no programa vai até o dia 31 de março.

Como funciona

O Renda Família é o primeiro programa de transferência de renda da história de Goiânia. O objetivo é assistir com o valor mensal de R$ 300, por seis meses, cerca de 24 mil famílias sem renda e que residam em imóveis próprios, alugados ou cedidos com valor venal de até R$ 100 mil.

O benefício será concedido por meio de um cartão alimentação que só poderá ser utilizado em estabelecimentos comerciais de Goiânia. Não haverá possibilidade de saque do valor e a utilização do cartão será restrita a estabelecimentos comerciais da capital para aquisição de produtos alimentícios como arroz, feijão, macarrão, entre outros. O valor será creditado mensalmente, a cada 30 dias, tendo como referência a data do primeiro.