Operação Telhado de Vidro

Presos suspeitos de desviar mais de 100 toneladas de telhas de amianto, em Aparecida de Goiânia

Funcionário e ex-funcionário da empresa foram detidos no último sábado (4) após um mês de investigação. Prejuízos ultrapassam R$ 5 milhões


Joao Paulo Alexandre
Do Mais Goiás | Em: 06/08/2018 às 18:14:55

Dupla pode ter se beneficiado com R$12 mil perante ao esquema (Foto: Divulgação/ PC)
Dupla pode ter se beneficiado com R$12 mil perante ao esquema (Foto: Divulgação/ PC)

Dois homens foram presos suspeitos de furtar e revender telhas de amianto – que seriam descartadas – para comerciantes de Goiânia, Aparecida e Trindade. Francisco Silva de Oliveira, de 27 anos, e Luiz Fernando Alves de Araújo, de 28, foram detidos após deflagração da Operação Telhado de Vidro, realizado por agentes da Delegacia Estadual de Repressão a Furtos e Roubos de Cargas (Decar).

Segundo o titular da delegacia, Alexandre Bruno, Francisco era motorista da empresa que fabricava as telhas e trabalhava no local há cerca de um ano e meio. Sua função era transportar os itens avariados para o descarte, realizado em Minaçu, a 504 quilômetros de Goiânia. Porém, a empresa passou a desconfiar do suspeito, pois a carga chegava com o peso inferior ao registrado na nota fiscal. A dispensa do material era realizada em razão das telhas estarem fora dos padrões técnicos da empresa.

“Funcionário do descarte comunicou à empresa a suspeita, a qual passou a monitorar o empregado por seis meses. Depois disso, eles nos informaram e passamos a vigiá-lo há cerca de uma mês, até realizar a sua prisão no último sábado (4). Há suspeitas de que o crime se arraste por um ano”, conta.

Segundo o delegado, de cada carga, os suspeitos retiram cerca de 35% do carregamento, ou seja, até 15 toneladas por carga. Isso, segundo o levantamento de Alexandre, equivale a um prejuízo de R$ 5 milhões, já que cada telha era vendida por R$ 5 aos comerciantes e revendidas, em média, por R$ 50.

“As telhas eram descarregadas em um depósito localizado em Aparecida de Goiânia e o restante era levado à casa de Luiz Fernando, que cedia o quintal para guardar os produtos. Na sequência, elas eram revendidas em Goiânia, Aparecida de Goiânia e Trindade”, destaca.

Telhas estavam fora dos padrões técnicos da empresa (Foto: Divulgação/ PC)

Com eles, os policiais apreenderam 100 toneladas de telhas, um caminhão, uma carreta e uma empilhadeira. O delegado estima que os ganhos individuais chegassem R$ 12 mil por carregamento. Além disso, já foi pedida a prisão preventiva de um outro funcionário da fábrica, suspeito de compor a organização criminosa, e de três comerciantes que receptavam os produtos de furto.

Luiz Fernando já possui passagens pela polícia por porte ilegal de arma de fogo e é ex-funcionário da empresa. Ambos foram autuados por furto qualificado. Segundo o delegado, até o final das investigações, a dupla também poderá ser autuada por organização criminosa. Os suspeitos foram encaminhados para o presídio de Aparecida de Goiânia.

Produtos apreendidos na casa de um dos suspeitos, em Aparecida de Goiânia (Foto: Divulgação/ PC)