Veja perguntas e respostas sobre aplicação da dose de reforço contra covid em Goiás

Governador Ronaldo Caiado confirmou o início da aplicação da dose de reforço contra Covid-19 para a próxima semana

Dose de reforço contra Covid-19: entenda como vai funcionar a aplicação em Goiás
O governador Ronaldo Caiado confirmou o início da aplicação da dose de reforço contra Covid-19 para a próxima semana (Foto: Jucimar de Sousa - Mais Goiás)

A dose de reforço contra Covid-19 deve começar a ser aplicada em Goiás já a partir da próxima semana, conforme adiantado hoje (25) pelo governador Ronaldo Caiado (DEM). A vacinação dessa “terceira dose” terá início de forma antecipada no estado, uma vez que a previsão do Ministério da Saúde era de que a dose extra só começasse a ser aplicada a partir do dia 15 de setembro. O esquema de imunização vai começar por idosos institucionalizados.

Em entrevista a um veículo local, a superintendente de Vigilância em Saúde de Goiás, Flúvia Amorim, esclareceu alguns dos principais pontos sobre a aplicação da dose de reforço contra a Covid-19 em Goiás. Confira abaixo:

1. Em que dia a aplicação da “terceira dose” vai começar em Goiás?

De acordo com Flúvia, a aplicação da dose extra terá início na próxima semana, mas em dia ainda não definido. Segundo ela, a imunização depende da chegada de uma nova remessa de doses. Ou seja: a aplicação da dose de reforço terá início assim que uma nova remessa enviada pelo Ministério da Saúde desembarcar em Goiás.

2. Quem serão os primeiros vacinados?

O primeiro grupo que receberá a dose de reforço em Goiás é o de idosos que vivem em instituições de longa permanência e que tenham tomado as duas doses da Coronavac. Flúvia justitifica a prioridade desse grupo devido ao aumento de casos de contaminação. De acordo com a superintendente, Goiás registrou 13 surtos de Covid-19 em instituições de longa permanência para idosos somente no segundo semestre de 2021, com 19 óbitos como resultado.

Além disso, estudos nacionais, como o desenvolvido pelo Instituto do Coração (InCor) e pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP), já recomendam uma terceira dose de vacina contra a Covid-19 para pessoas com 55 anos ou mais que foram imunizados com Coronavac. Os dados do estudo revelaram que a proteção induzida pela Coronavac é menor do que a adquirida naturalmente. Dos participantes vacinados, 95% tinham as células T, responsáveis pela eliminação das células infectadas. Já entre os recuperados, o percentual era de 99%.

3. Quem será vacinado em seguida?

Após a aplicação da dose nos idosos institucionalizados, a a imunização vai avançar para idosos por ordem decrescente de idade.

4. Qual tipo de vacina será usado na aplicação da dose de reforço?

Conforme Flúvia Amorim, o imunizante indicado para a dose extra contra a Covid-19 é a Pfizer. No entanto, imunizantes das outras fabricantes também são avaliados.

5. A vacinação de jovens de 18 anos ou mais contra a Covid-19 será interrompida?

A princípio, não. Segundo a superintendente, a intenção da Secretaria Estadual de Saúde (SES-GO) é fazer a aplicação da dose de reforço paralelamente à imunização dos demais grupos. No entanto, Flúvia reforço que “não adianta avançar para vacinar adolescentes, deixando os idosos e não vacinados para trás”. “São várias frentes, então não é algo fácil para os municípios”, afirmou.

6. E quem ainda não tomou a primeira dose da vacina?

A SES definiu um prazo máximo de 20 dias para os adultos que ainda não tomaram a primeira dose da vacina contra a Covid-19. Findando esse prazo, o imunizante deverá ser convertido para aplicação da dose de reforço. O indivíduo ainda poderá se vacinar, mas vai depender da disponibilidade de cada posto de vacinação.