FolhaPress

Dólar fecha perto da estabilidade e Bolsa recua em dia de baixo volume de negócios

O Ibovespa, principal índice acionário do país, cedeu 0,32%, a 104.745 pontos, perdendo o patamar de 105 mil pontos

Dólar sobe para R$ 4,12 com perspectiva de juro menor (Foto: Marcello Casal Jr / Agência Brasil)
(Foto: Marcello Casal Jr / Agência Brasil)

Com os mercados fechados na China, que celebra os 70 anos da revolução comunista, as Bolsas globais registraram volume reduzido de negócios nesta segunda-feira (30), o último pregão de setembro. O dólar chegou a superar os R$ 4,17, mas terminou o dia praticamente estável.

O Ibovespa, principal índice acionário do país, cedeu 0,32%, a 104.745 pontos, perdendo o patamar de 105 mil pontos. No acumulado do mês, a Bolsa subiu 3,57%. Parte da explicação para o pregão está no baixo volume de negócios desta segunda, que ficou em R$ 13,118 bilhões, abaixo da média diária de R$ 16 bilhões registrada neste ano.

O desempenho negativo foi reflexo da queda da Petrobras e de ações do setor bancário, pressionado pela perspectiva de redução ainda mais pronunciada da Selic. Já nos Estados Unidos, o viés foi de alta. As ações tinha sofrido uma baixa expressiva na sexta-feira (27), após a ameaça do governo americano de deslistar as companhias chinesas do mercado americano.

Após declarações que amenizaram essa possibilidade, o viés para o pregão era de alta. Já o dólar teve um dia volátil, o que é característico para os últimos pregões do mês. A moeda abriu em alta e chegou a bater em R$ 4,1740. À tarde, a alta perdeu força e acabou fechando a R$ 4,1560 (-0,02%). No exterior, a maioria das divisas emergentes perdeu valor ante o dólar.

No mês, o dólar subiu 0,31%, mas a moeda se consolidou ao redor dos R$ 4,15, reforçando as apostas de que R$ 4 são o novo piso.