Dois políticos de Seropédica são assassinados em menos de três semanas

Miguelzinho, de 51 anos, só andava de carro blindado e já tinha mandado a família para os EUA


Thais Lobo

Do Mais Goiás | Em: 11/11/2018 às 16:47:13


Foto: Reprodução/Facebook
Foto: Reprodução/Facebook

Um ex-candidato a prefeito de Seropédica foi assassinado a tiros nesta manhã. Miguel Angelo Steffan de Souza, o Miguelzinho Seropédica, de 51 anos, estava em uma padaria quando foi atacado por criminosos. Ele é o segundo político morto em menos de três semanas na cidade. No dia 25 de outubro, Rafael Siqueira Cardoso, suplente de vereador, também foi morto com tiros no rosto. A Divisão de Homicídios da Baixada Fluminense investiga os casos.

Miguelzinho era um influente crítico político do atual prefeito da cidade, Anabal (PDT), e também denunciava crimes da milícia que atua na região. Ele mantinha uma página no Facebook com quase 10 mil inscritos. Lá, apresentava problemas da cidade. “Animal!!! Governo de vergonha e da corrupção. Faz imensa cagada no bairro Jardim Maracanã e deixa a população mergulhada em chiqueiro. Durante todo o ano o governo sugou dinheiro do povo através de contratos milionários e não fez absolutamente nada benéfico para o povo”, escreveu Miguelzinho em uma das últimas postagem que fez.

Em 2016, Miguelzinho teve a casa invadida durante a campanha e foi ameaçado de morte depois de denunciar irregularidades na prefeitura e anunciar que levantaria quem são os verdadeiros donos de terras em Seropédica. Além de político, ele era empresário e piloto. Após sofrer as ameaças, mandou a família para os Estados Unidades e só andava em carro blindado.

— A grande disputa aqui é por terras — dizia ele, em 2016, ao O GLOBO: — Eu denunciei um esquema fraudulento de compra de lotes e fui ameaçado dentro de um café pelo segurança de um político. Se eu subir num carro de som, sou morto.

Nesta mesma entrevista, ele afirmou que o vereador Luciano Batista, o Luciano DJ, seria seu candidato a vice, mas foi assassinado em 2015. Em agosto daquele ano, seu aliado político Júlio César Reis também foi morto. Ambos eram do PCdoB.