Aparecida de Goiânia

Dois homens invadiram a enfermaria do Huapa e mataram paciente, diz hospital

O homem foi morto na noite desta segunda-feira (30/11) em uma das enfermarias da unidade de saúde.





//

O Hospital de Urgências de Aparecida de Goiânia (Huapa) emitiu nota sobre o assassinato do paciente Diego Castilho de Abreu Souza, de 29 anos. O homem foi morto na noite desta segunda-feira (30/11) em uma das enfermarias da unidade de saúde.

De acordo com o hospital, o “paciente foi vítima de disparos de arma de fogo, após dois homens encapuzados pularem o muro dos fundos do hospital e renderem o policial militar que fazia a escolta do paciente.”

Segundo informações da Polícia Militar (PM), Diego Castiljo de Abreu foi baleado no tórax em troca de tiros com um policial militar no Bairro Independência, em Aparecida de Goiânia, na noite da última sexta-feira.

Diego e um comparsa tentaram assaltar um policial militar, quando esse reagiu e atirou contra os suspeitos. Diego foi atingido no tórax. O comparsa acabou sendo preso em seguida por uma equipe da PM.

O homicídio dentro da unidade de saúde é investigado pelo Grupo de Investigações de Homicídios (GIH) de Aparecida de Goiânia.

Leia a nota na íntegra:

“Nota Oficial – Esclarecimento sobre crime no Huapa

A direção do Hospital de Urgências de Aparecida de Goiânia (Huapa) informa que o paciente Diego Castilho de Abreu Souza, 29 anos, que estava internado na unidade desde o dia 26 de novembro (quinta-feira) sob custódia da Polícia Militar (PM), foi a óbito na noite de ontem, 30 de novembro, por volta das 22h40.

O paciente foi vítima de disparos de arma de fogo, após dois homens encapuzados pularem o muro dos fundos do hospital e renderem o policial militar que fazia a escolta do paciente. No momento, uma técnica de enfermagem ministrava medicação e os assassinos mandaram que a mesma se retirasse do quarto.

Diego Castilho se encontrava em um quarto de isolamento na enfermaria da Clínica Médica do hospital. O Instituto Médico Legal (IML) foi acionado e retirou o corpo do paciente ainda na noite do crime. A polícia também foi acionada e o Grupo de Investigações de Homicídios de Aparecida de Goiânia investiga o assassinato.

Não se sabe a quantidade de tiros disparados efetuados, somente após o laudo de balística para se ter a informação. As imagens do circuito interno de segurança do hospital já foram entregues para a Polícia Civil.

Assessoria de Imprensa do Huapa”

Tópicos