Do Mais Goiás

Direito da polícia investigar autoridades em Goiás é discutido no STF

Associação de delegados entrou com uma Ação contra emenda à Constituição do estado que exige autorização da justiça para investigações de crimes comuns

Supremo confirma decisão de Barroso para Senado criar CPI da Covid
Supremo confirma decisão de Barroso para Senado criar CPI da Covid (Foto: Reprodução)

O direito da Polícia Civil (PC) e do Ministério Público de Goiás (MP-GO) de investigar autoridades está em pauta no Supremo Tribunal Federal (STF). Isso porque a Associação dos Delegados de Polícia do Brasil (Adepol) entrou com uma Ação Direta de Inconstitucionalidade contra uma lei que determina que investigações de crimes comuns contra gestores e agentes públicos só podem ser feitas com autorização da justiça. A ação foi distribuída ao ministro Dias Tóffoli.

A questão entrou em debate no final de dezembro de 2020. Na época, o governo do estado enviou e aprovou na Assembleia Legislativa (Alego) uma emenda à Constituição de Goiás instituindo a Polícia Penal. Durante a tramitação no legislativo, um artigo foi acrescento à proposta condicionado a investigação de autoridades por crimes comuns pela PC e do MP-GO a uma prévia autorização da justiça.

Entre as autoridades que não poderiam ser investigadas estão os próprios deputados estaduais, o vice-governador, secretários de estado, prefeitos, juízes de primeiro grau e membros do Ministério Público.

De acordo com a Adepol, o dispositivo aprovado é inconstitucional porque vai contra as garantias do juiz natural e o princípio da inércia da jurisdição. Além disso, a associação alega que legislar sobre o Direito Penal e o Direito Processual Penal é atribuição privativa da União. A entidade alega ainda que o artigo aprovado é um “jabuti”, ou seja, não tem nenhuma relação com a proposta de emenda enviada pelo governo à Alego.

“Ora, se nem Deputados Federais e Senadores são agraciados com a necessidade de autorização legislativa para a instauração de ação penal […] revela-se contra o sistema jurídico permitir que Deputados Estaduais, Secretários de Estado e outras autoridades locais tenham referida condição de procedibilidade”, argumenta a entidade na petição inicial.

Em despacho feito nesta terça-feira, o ministro Dias Tóffoli solicitou informações à Alego no prazo de 10 dias.